Você conhece o grão de Chia?

por Nutricionista Francis Moura Santos - CRN5 3243/P

630-compar_nutritional

Chia, na língua maia, significa força. Esta é uma planta originária do México e Colômbia, cultivada a milhares de anos (2600 a.C.) e utilizada na alimentação de indígenas americanos.  Era considerado um superalimento, pois acreditava-se suprir as necessidade nutricionais diárias de um indivíduo adulto. Suas sementes são ovais e pequenas, de cor preta, marrom escura, branca ou cinza. Atualmente a chia é cultivada em alguns estados México e em países como Argentina, Bolívia, Peru e Colômbia.

As culturas ancestrais têm sido resgatadas como forma de diversificar a produção agrícola, melhorar a alimentação da população, auxiliar na prevenção de doenças, diminuir custos de produção e melhorar as condições ambientais envolvidas na produção. Como a semente da chia é uma das principais fontes vegetal de ômega 3, seu cultivo foi resgatado e sua ingestão já vem sendo associada ao controle de peso corporal, níveis de glicemia (principalmente pós-prandial), melhora de perfil lipídico, da função endotelial, coagulação, fibrinólise e do estado de ferro. Assim, pode ser utilizado no tratamento de doenças como obesidade, diabetes, dislipidemias, hipertensão e outras doenças cardiovasculares.

A semente de chia pode auxiliar no tratamento de tais doenças, pois contém um teor de ômega 3 excelente, onde aproximadamente 60% do teor lipídico da semente é de ALA (ácido alfa-linolênico). O grão contém ainda fitoesteróis, compostos antioxidantes (ácido clorogênico, ácido caféico e glicosídeos flavanol), fibras dietéticas e proteínas de alta digestibilidade. Porém, a qualidade nutricional do grão vai depender do solo onde este é plantado e de sua interação com o meio ambiente.

Segundo pesquisadores, o grão de chia apresenta teores de proteína maior que grão como a quinoa, aveia, amaranto, cevada e arroz, além de diversos aminoácidos essenciais. Além de ser rica em ferro, fósforo, selênio, potássio e magnésio.

A semente de chia possui, em 100g, 36% de fibras insolúveis e 5% de fibras solúveis, totalizando 40% de fibras dietéticas que possuem diversos efeitos benéficos para a saúde auxiliando no controle da glicemia e aumentando saciedade. Devido a sua capacidade em absorver água, as fibras insolúveis aceleram o trânsito intestinal e aumentam o peso das fezes. Já as fibras solúveis formam um gel no estômago e intestino que garante o aumento do quimo, prolongando o tempo de absorção da glicose e aumentando a saciedade.

As fibras solúveis também são matéria-prima para a fermentação bacteriana, onde as bactérias do cólon intestinal produzem ácidos graxos de cadeia curta (ácido butírico, acético e propiônico) e gases, contribuindo assim para uma microbiota mais saudável.

O consumo de fibras têm sido associado a benefícios para a saúde como: melhora de constipação intestinal e de diarréias associadas a antibioticoterapia; melhora de dislipidemia; manutenção do sistema imunológico; ação anti-inflamatória. O consumo diário de fibras recomendado é de 20 a 35g.

Por se tratar de uma semente com uma quantidade significativa de aminoácidos essenciais, fibras e ácidos graxos poli-insaturados, a chia era bastante utilizada na antiguidade como um alimento para melhorar resistência. Porém, estudos não demonstraram resultados significativos na melhorar de resistência ao exercício. Apesar disso, a chia foi considerada uma opção saudável para a ingestão de nutriente, contribuindo que os atletas diminuam a ingestão de açúcar e aumentem o consumo de ácidos graxos ômega 3.

Ainda são necessários maiores estudos para que o grão de chia seja considerado um alimento funcional, porém os estudos realizados até então mostram dados promissores e um bom potencial. O grão deve ser associado a uma dieta balanceada, respeitando a individualidade bioquímica de cada um. Sendo assim, antes de introduzir o grão de chia no sua alimentação diária, procure um nutricionista para que este elabore um cardápio personalizado e balanceado.

Fonte:  ANutricionista.Com - Francis Moura Santos - CRN5 3243/P - Nutricionista em Salvador.

PASCHOAL, Valeria; NAVES, Andreia. Salvia Hispanica. Monografia Científica.
Chia e o balanço ômega 3 e 6. Disponível em: . Último acesso em: 27/09/2011.
Fonte da imagem: http://benexia.com.s116993.gridserver.com/wp/wp-content/uploads/image/benexia-for-you/nut-benefits/630-compar_nutritional.jpg
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário