Unhas: elas dizem muito sobre a saúde do corpo

por Nutricionista Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602

unha_saude_sinais_nutricionista_alimentação_tireoide_metabolismo_nutrição_funcional_piracicaba_tobaja_daniela

Ter unhas bonitas e fortes é preciso, primeiramente, estar saudável, portanto, alimentar-se bem. Provavelmente já ouviu a frase ‘Você é o que você come’, eu diria que “Você é o que você come, absorve e utiliza”. Para ter uma boa absorção dos nutrientes, além de uma alimentação balanceada diariamente, é necessário estar em dia com alguns princípios básicos da fisiologia do corpo, como ter uma boa mastigação; uma produção ideal de enzimas digestivas, que é incomum em pessoas que têm como hábito beber líquidos com a refeição; deve-se comer um bom prato de salada todos os dias; ter um bom pH salivar, estomacal e intestinal, o que geralmente está alterado na presença de medicamentos, na ausência do hábito de consumir frutas diariamente, ou em patologias como gastrite e colite, entre outros fatores; e deve-se ter um intestino saudável. Os principais sintomas de desequilíbrios da flora intestinal são a constipação ou diarreia, espinhas, muita ‘fome de doce’, língua esbranquiçada, entre outros.

O que as unhas revelam

As unhas também refletem a saúde do corpo. Algumas deformações podem ser sinais de doenças ou falta de vitaminas.

- Unhas pálidas, sem cor: anemia, falta de ferro causada pela deficiência de vitamina C, A, E, complexo B e zinco. Neste caso, aumente o consumo de feijão branco, que é rico em ferro de boa absorção, e a inclusão de uma fruta rica em vitamina C, como a laranja (com bagaço), além de um bom prato de salada com azeite (vitamina E).

- Unhas ressecadas, que quebram com facilidade e descamam: falta de vitamina A, proteínas e cálcio; contato com produtos químicos diversos, além dos químicos encontrados em diversos alimentos industrializados. O consumo de refrigerantes favorece a perda óssea, além de conter diversos aditivos químicos. O excesso de café também favorece a excreção de cálcio.  Sugiro o aumento do consumo de alimentos ricos em cálcio, de boa biodisponibilidade, junto aos nutrientes que favorecem à entrada do cálcio no osso, como o brócolis e verduras de cor verde escura, sardinha, açaí e gergelim, por exemplo. Além disso, a exposição a luz solar é fonte de vitamina D, fundamental para equilíbrio ósseo.

- Unhas que não crescem: deficiência de vitamina A e zinco, uso de certos medicamentos ou problemas com saúde intestinal. Aumente o consumo de frutas e folhas verdes.

- Unhas muito finas e quebradiças: deficiências alimentares, doenças debilitantes. Comum em casos de síndrome de má-absorção, em que o problema, geralmente, é intestinal.

- Unhas com linhas horizontais e frágeis: falta de vitaminas do complexo B, algum desequilíbrio hormonal, sinal de intoxicação, traumas. O ideal é adotar princípios desintoxicantes, como a couve, o gengibre, e a casca de limão no suco, além de evitar alimentos ricos em corantes, conservantes e adoçantes. Atenção à intoxicação por consumo de alimentos quentes em recipientes de plástico, como por exemplo, o café em copo plástico.

- Unhas com manchas escuras e avermelhadas: pode ser trauma, pigmentação racial, envelhecimento precoce, por falta de antioxidantes na alimentação (presentes em frutas e verduras), excesso de açúcar, sal e gordura.

- Unhas arroxeadas, aumento da curvatura:  problemas circulatórios,  ou falta de antioxidantes na alimentação, além de excesso de açúcar, sal e gorduras.Sugiro alimentos como as castanhas, que contém arginina e melhoram a circulação.

- Unhas que soltam do leito, espessadas, com ceratose subungueal: psoríase ou intoxicação por medicamentos, infecções por fungos e problema com a flora intestinal e/ou hipersensibilidades alimentares. Inclua alimentos com poder antifúngico, como hortelã, própolis e semente de abóbora.

Para maiores informações, consulte o seu nutricionista.

Fonte:  ANutricionista.Com - Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602 - Nutricionista em Piracicaba.

Cotter, P.D., Paul D. Cotter. Small intestine and microbiota. Intestino delgado e microbiota. Current Opinion in Gastroenterology, 27:99–105, 2011.

Timmermana H. M., Niersd, L. E. M., Ridwane, B. U. et. al Design of a multispecies probiotic mixture to prevent infectious complications in critically ill patients, 2007.

Almeida, Barros, L. Marinho, Bastos. C., Souza, Silva et. al. Disbiose intestinal. Rev. bras. nutr. clín; 24(1): 58-65, 2009.

Arias, B. U., Beltrán, J. F., Paz, J. E. G., Dinza, M. R. et. al. Flora bacteriana intestinal en pacientes con hepatopatías crônicas. MEDISAN v.14 n.5 Santiago de Cuba, 2010.

Guarner F. . Papel de la flora intestinal en la salud y en la enfermedad. Nutr.Hosp. v.22 supl.2 , 2007.

Mönckeberg F. B., Corsini G.A. GUT MICROBIOTA, METABOLISM AND CALORIC BALANCE. Rev. chil. nutr. vol.38 n.4, 2011.

Gill, H.S, Guarner, E. Probiotics and human health: a clinical perpective. Postgrad Med. J. 80:516-26, 2004.

Paschoal, V., Naves, A., Fonseca. A.B.B.L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios a pratica clínca. P. 142- 169, 2010.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário