Plano Alimentar Individualizado

por Nutricionista Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602

consulta

Hoje , é muito comum vermos casos de pessoas que seguiram ou seguem planos alimentares de revistas, internet, de uma celebridade, de um amigo, parente entre outros. Mas isso é correto?
Partindo do princípio de individualidades, devemos destacar alguns pontos fundamentais para a elaboração do Plano Alimentar (dieta) realizado por um nutricionista:

- Sexo: É durante a adolescência que as diferenças na composição corporal entre o sexo masculino e o feminino se tornam maiores. O homem passa a produzir maior quantidade do hormônio testosterona, e assim obter um aumento considerável de massa muscular. Esse aumento de massa muscular é responsável pelo aumento do metabolismo basal, ou seja, uma maior necessidade de energia para a manutenção das funções vitais do organismo. No caso das mulheres, ocorre principalmente o aumento do hormônio estrógeno, associado ao aumento da massa gorda (deposito de gordura), principalmente na região do quadril.

- Idade: Aproximadamente a partir dos 30 anos, passamos a ter uma perda de massa muscular, o que representa um gasto de calorias por dia menor, favorecendo o ganho de peso.

- Estilo de vida: O estilo de vida interfere e muito no gasto energético diário. Uma pessoa que passa o dia trabalhando sentada, por exemplo, tem um gasto energético menor do que uma pessoa que passa o dia trabalhando em pé ou andando.

-Pratica esportiva: a necessidade energetica de praticantes de atividade física é maior do que um sedentário, mas mesmo entre praticantes de atividade física as necessidades são muito diferentes, como um simples caminhada ou corrida (onde há variações de velocidade, inclinação e tempo), uma aula de spining,  uma aula de step (com o step alto ou baixo), natação, musculação, entre outras práticas. Além disso, a mesma prática esportiva como por exemplo uma aula de step, pode variar de um indivíduo para outro dependendo da intensidade em que o exercício é realizado.

- Composição corporal: Quanto maior a quantidade de musculos, maior será a necessidade energética (metabolismo).

- Hábitos alimentares: No plano alimentar individualizado, alguns hábitos e práticas alimentares, questões culturais e preferências alimentares podem ser levados em consideração e incluídos de forma adequada (quantificada) na dieta.

- Objetivo: As razões para se procurar uma nutricionista ou somente se atentar a alimentação são diversos, entre eles está, a perda de peso, o ganho de massa muscular, o controle do colesterol, o controle da diabetes, a hipertensão, a anemia, a gestação, os motivos estéticos (ex: celulite, pele, etc.), entre outros.

Baseada em uma média (portanto uma grande variância), os produtos industrializados disponibilizam em suas embalagens as rotulagens nutricionais, com percentuais diários de carboidrato, proteína, gordura, entre outros componentes, de uma dieta de 2.000 kcal. Para alguns uma dieta de 2.000 kcal/ dia irá lhe proporcionar ganho de peso, para outros, perda de peso.
O que quero dizer com todas estas individualidades, relacionadas a sexo, idade, estilo de vida, prática esportiva, hábitos alimentares , objetivos entre outros fatores, é que cada um de nós tem uma característica, uma rotina, hábitos alimentares, gostos, disponibilidade de tempo e composição corporal diferentes, portanto, temos necessidades energéticas (calorias) diferentes.
Daí então, a importância de um plano alimentar individualizado, atendendo as necessidades de cada um de nós.

Fonte:  ANutricionista.Com - Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602 - Nutricionista em Piracicaba.

Referências Bibliográficas:
Luciana O. Pereira L.O, Francischi R. P, Lancha Jr. A Obesidade: Hábitos Nutricionais, Sedentarismo e Resistência à Insulina Arq. Bras Endocrinol Metab vol 47 nº 2 Abril 2003.

Viviani M. T., Junior J. R. G, Interações entre os sistemas nervoso e endócrino e tecido adiposo e muscular na regulação do peso corporal durante dietas alimentares. Revista Brasileira de Nutrição Clinica 2006, 21(1):72-7).

Paravino A. B, Portella E. S, Soares E. A - Metabolismo energético em atletas de endurance é diferente entre os sexos Revista de Nutrição v.20 n.3.Campinas maio/jun. 2007.

Scagliusi F. B., Lancha Jr A. H. Estudo do gasto energético por meio da água duplamente marcada: fundamentos, utilização e aplicações Rev. Nutr. Campinas, 2005. jul./ago v.18 n.4

Panza V. P; Coelho M. S .P; Pietro P. F. ; Assis M. Al .A. , Vasconcelos F. A . G. Consumo alimentar de atletas: reflexões sobre recomendações nutricionais, hábitos alimentares e métodos para avaliação do gasto e consumo energéticos Rev.Nutr. vol.20 no.6 Campinas Nov./Dec. 2007
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário