Ômega-3: Um nutriente essencial

por Nutricionista Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602

omega-3-fatty-acids

Não é por um acaso que cresce o número de produtos com adição de Omega-3, os benefícios associadas a esse ácido graxo poliinsaturaturado são cada vez mais documentos e comprovados na literatura cientifica.

Por não ser produzido pelo corpo humano, o ômega-3 recebe o nome de ácido graxo poliinsaturado essencial, sendo necessário adquiri-lo pela alimentação e/ou suplementação.

Sua função no organismo é muito ampla: formação da membrana celular, regulação hormonal, desenvolvimento e funcionamento do cérebro e da retina, fundamental durante o desenvolvimento do feto e da criança (fases de crescimento cerebral), sendo de extrema importância na gestante e lactante, entre outros.

Os maiores benefícios do ômega-3 estão associados aos ácidos graxos de cadeia longa como o EPA (ácido eicosapentaenóico) e o DHA (ácido docosahexanóico):

- Melhora de todos os processos inflamatórios: artrite, tendinite, gastrite, colite, sinusite, rinite, celulite, etc;

- Prevenção da doença de Alzheimer;

- Prevenção da doença Parkinson;

- Redução do risco de eclampsia (hipertensão) e diabetes gestacional;

- Prevenção da depressão;

- Melhora da saúde cardiovascular: com menor incidência de cardiopatias.;

- Prevenção da endometriose (afecção inflamatória provocada por células do endométrio);

- Tratamento da obesidade: por melhorar os processos inflamatórios, bem como controle hormonal, celular, de humor, entre outros;

- Prevenção de câncer;

- Tratamento de psoríase (doença inflamatória da pele);

- Tratamento da HIV;

- Melhora da memória e aprendizagem (capacidade cognitiva);

- Melhora da ansiedade;

- Redução dos níveis de triglicérides: associado a coágulos nas artérias, consequentemente aumento de risco de doenças cardiovasculares;

- Tratamento da osteoporose: pois auxilia a absorção de cálcio;

- Melhora do humor;

- Melhora da recuperação dos músculos e articulações após o exercício;

- Manutenção dos hormônios (em níveis ideais): favorecendo o sistema reprodutor ou anabólico, por exemplo;

- Prevenção da hipertensão;

- Controle do índice glicêmico (glicemia).

As principais fontes de ômega-3 são os peixes de águas salgadas e profundas, como salmão, a sardinha e o atum.

Mesmo o Brasil apresentando um grande potencial para a criação de peixes devido a sua extensa costa marítima e águas continentais, dados demonstram que o consumo de peixe no Brasil caiu consideravelmente nos últimos anos. De acordo com a Sociedade Americana do Câncer e a Associação Americana do Coração (AHA), o consumo de peixe deve ser de pelo menos duas vezes por semana.

Para quem faz um consumo de peixes, principalmente mais do que duas vezes na semana, faz se necessário um acompanhamento, pois infelizmente muitos peixes vêm apresentando altos níveis de metais pesados, poluentes, entre outras substancias tóxicas.

Outras fontes são: a semente ou óleo de linhaça, chia, nozes, verduras escuras, azeites e alguns óleos.

A maioria dos óleos tradicionais bem como produtos industrializados com adição de ômega-3, também contem ômega-6, que quando consumido em excesso aumenta o risco de doenças inflamatórias. Como a alimentação da maioria dos brasileiros é rica em ômega-6, a proporção ideal entre ômega-3 e ômega-6  dificilmente é atingida sem suplementação. Sem essa proporção os benefícios não são atingidos. Por esse motivo, os suplementos de ômega-3 têm sido cada vez mais utilizados e as proporções ideais facilmente alcançados. Porém alguns cuidados devem ser tomados na hora da escolha do produto, como presença de mercúrio, vitamina E, entre outros. Para melhores informações quanto a necessidade da suplementação, sua escolha e dosagem consulte o seu nutricionista.

Fonte:  ANutricionista.Com - Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602 - Nutricionista em Piracicaba.

Fernandes A. C., Medeiros C.O., Bernardo G.L., et AL. Riscos e Benefícos no consumo de peixe para saúde humana. Rev. Nutr. vol.25 no.2, 2012.
Castro-Gonzalez, M.I. Ômega 3: BENEFÍCIOS E FONTES. INCI v.27 n.3, 2002.
Kiecolt-Glaser JK; Belury MA; Andridge R; Malarkey WB; Glaser R. Ômega-3 reduz a inflamação suplementação e ansiedade em estudantes de medicina: um estudo controlado randomizado.Cérebro Behav Immun ; 25 (8): 1725-1734, 2011.
Salem N Jr, et al. Mechanisms of action of docosahexaenoic acid in the nervous system. Lipids, 36:945-59, 2001

Missmer, S. A., Chavarro J. E., Malspeis S., et. Al. A prospective study of dietary fat consumption and endometriosis risk. Human Reproduction, pp. 1 –8, 2010.
Jung J., Torrejon C., Tighe A. P. and Deckelbaum R. n3 Fatty acids and cardiovascular disease: mechanisms underlying beneficial effects. Un The American jornal of clinical nutrition, 2008.
Lauritzen L, et al.The essentiality of long chain n-3 fatty acids in relation to development and function of the brain and retina. Prog Lipid Res, 40:1-94, 2001.
Heude B, et al. Cognitive decline and fatty acid composition of erythrocyte membranes - The EVA Study. Am J Clin Nutr, 77:803-8, 2003.

Whalley LJ, et al. Cognitive aging, childhood intelligence, and the use of food supplements: possible involvement of n-3 fatty acids. Am J Clin Nutr, 80:1650-7, 2004.

Schaefer E, et al. Plasma phosphatidylcholine docosahexaenoic acid content and risk of dementia and Alzheimer disease: the Framingham Heart Study. Arch Neurol, 2006. 63:1545-50.

Hogstrom M, et al. n-3 Fatty acids are positively associated with peak bone mineral density and bone accrual in healthy men: the NO2 Study. Am J Clin Nutr, 85:803-7, 2007.
Schwellenbach LJ, et al.The triglyceride-lowering effects of a modest dose of docosahexaenoic acid alone versus in combination with low dose eicosapentaenoic acid in patients with coronary artery disease and elevated triglycerides. J Am Coll Nutr, 25:480-85, 2006.
Wang C, et al. n-3 Fatty acids from fish or fish-oil supplements, but not from alpha-linolenic acid, benefit cardiovascular disease outcomes in primary- and secondary-prevention studies: a systematic review. Am J Clin Nutr, 84:5-17, 2006.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário