O papel da nutrição na Artrite

por Nutricionista Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602

artrite-reumatoide-reumatismo

A Artrite reumatóide (AR) assim como outras doenças de terminologia “ite“ (gastrite, amigdalite, por exemplo) é de causa inflamatória, que acomete duas vezes mais nas mulheres do que nos homens e em geral a incidência aumenta com a idade. Na maioria dos casos agride pequenas e grandes articulações (cotovelo, joelho, punho, etc.).

Pacientes com AR apresentam uma redução na expectativa de vida, decorrente ao risco aumentado para doenças cardiovasculares. A freqüência de um infarto, por exemplo, é aumentado em até quatro vezes. Comumente pacientes com AR  apresentarem baixos níveis de HDL (“colesterol bom”) e síndrome metabólica (caracterizada pela obesidade, alteração nos níveis de colesterol, triglicérides, glicemia e hipertensão).

A causa da AR ainda não é completamente esclarecida, no entanto, sabe-se que há envolvimento de fatores ambientais e genéticos, sendo possível compreender que a sua fisiopatogenia que envolve as citocinas inflamatórias  IL-1, TNFalfa e proteína C-reativa (relacionado principalmente a perda da densidade mineral óssea). E neste sentindo alguns novos medicamentos vem sendo estudados.

O diagnóstico é feito a partir de uma série de sintomas, exames laboratoriais e radiografia. No entanto, a maioria dos tratamentos tradicionais (medicamentoso e fisioterapia) estão mais limitados ao controle da lesão, de sua evolução e da dor. O tratamento ou “cura” em si é raramente alcançado. Infelizmente pouco se fala ou se tem o conhecimento do importante papel que a nutrição tem em uma doença inflamatória, visto que a inflamação não é restrita a articulação, e sim de forma sistêmica (com aumento expressivo de CD35 nos monócitos).

O nosso corpo está exposto aos alimentos diariamente e por uma hipersensibilidade a eles (e outros fatores), muitas macromoléculas dos alimentos podem atravessar o epitélio gastrointestinal (através da permeabilidade intestinal) e ter acesso a circulação, desencadeando processos inflamatórios.

Provavelmente pessoas mais susceptíveis a respostas inflamatórias ou com aumento da permeabilidade intestinal sofrem mais as conseqüências fisiológicas da AR. Neste ponto, a deficiência de vitaminas e minerais pode ser um agravo à resposta imunológica. Visto que o estilo de vida e alimentar inadequado é vivenciado pela maioria das pessoas: estresse, alimentação rica em gordura, açúcar, leite, glúten, conservantes, corantes, fungos (não comestíveis), além de má mastigação, alto consumo de líquido durante as refeições, entre muitos outros fatores que colaboram para uma permeabilidade e disbiose intestinal (desequilíbrio na flora intestinal com aumento de bactérias patogênicas).

Desde 1981 já eram relatadas associações de alimentos, alergias com a artrite. Dentre os relatos científicos, alguns alimentos são como agravantes da artrite reumatóide, como a proteína do leite, milho e o trigo.

O que pode e deve ser feito na nutrição:

- Retirada ou controle de freqüência dos alimentos com potencial inflamatório e alergênico.

- Inclusão de alimentos anti-inflamatórios, como por exemplo ômega-3.

- Medidas para controle da permeabilidade intestinal.

- Melhora da digestão de macromoléculas (como as proteínas) que tem um potencial muito alergênico.

- Inclusão de probióticos para equilíbrio da flora intestinal, estimulando a melhora do sistema imunológico, melhorar a absorção e o aproveitamento dos nutrientes, produção endógena de vitaminas entre outros benefícios.

- Fornecer antioxidantes, fitoquímicos e adequamento dos nutrientes envolvidos neste processo, como a vitamina C, que reduz os níveis de histamina, melhorando o processo inflamatório; ácido pantotênico, zinco, manganês e ferro comumente em deficiência entre os reumáticos.

Além de outras condutas nutricionais.

Portanto, procure um profissional capacitado.

Fonte:  ANutricionista.Com - Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602 - Nutricionista em Piracicaba.

Referências Bibliográficas:
Cunha, V. R., Brenol, C. V, Brenol, J. C. T. & Xavier, R. M. Artrite reumatoide e síndrome metabólica. Rev. Bras. Reumatol. vol.51 no.3, 2011.
Silva, T. L. O., Braga, F. S. F. F., Sztajnbok, F. R. et. al. Redução da densidade óssea alveolar em pacientes com artrite idiopática juvenil. Rev. Bras. Reumatol. vol.52 no.1, 2012.
Schainberg, C. G., Favarato, M. H. S. & Ranza, R. Conceitos atuais e relevantes sobre artrite psoriásica. Rev. Bras. Reumatol. vol.51 no.4, 2011.
Laurindo, I.M.M, Ximenes, A.C; Lima, F.A.C., et. al. Artrite reumatóide: diagnóstico e tratamento. Rev. Bras. Reumatol. vol.44 no.6, 2004.
Considerações sobre o Consenso da Sociedade Brasileira de Reumatologia 2011 para o diagnóstico e a avaliação inicial da artrite reumatóide. Rev. Bras. Reumatol. vol.51 no.3, 2011.
Torigoe D, Y., Laurindo I. M.M. Artrite reumatóide e Doenças cardiovasculares. Rev Bras Reumatol, v. 46, supl.1, p. 60-66, 2006
M A F J van de Laar, J K van der Kors. Food intolerance in rheumatoid arthritis. I. A double blind, controlled trial of the clinical effects of elimination of milk allergens and azo dyes. Annals of the Rheumatic Diseases, 51: 298-302, 1992.
Ratner, D., Eshel .E., Vigder, K. Artrite reumatóide juvenil e leite allergy. Journal ofthe Royal Society ofMedicine, Volume 78 , 1985.
Håfström, I, Ringertz, B., Spångberg, A., et. al. Uma dieta vegetariana livre de glúten melhora os sinais e sintomas de artrite reumatóide: os efeitos sobre a artrite se correlacionam com uma diminuição no nível de anticorpos para antigénios alimentares. Reumatologia (Oxford) ; 40 (10): 1175-9, 2001.
Panush, R.S, Stroud, R.M, Webster, E.M. Alimentos artrite induzida (alérgica). Artrite inflamatória exacerbada pelo leite. Arthritis Rheum: 29 (2): 220-6, 1986.

Schrander, J.J., Marcelis, C., de Vries MP., van Santen-Hoeufft HM. A intolerância alimentar desempenham um papel na artrite crônica juvenil? Br J Rheumatol ; 36 (8): 905-8, 1997.

Zuercher A. W, Fritsche, R. Corthe B. and Mercenier A. Food products and allergy development, prevention and treatment. Current Opinion in Biotechenology, 17:198-203, 2006.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário