Nutrientes imunomoduladores: o que são?

por Nutricionista Francis Moura Santos - CRN5 3243/P

Os nutrientes imunomoduladores são aqueles que têm ação de modular o sistema imunológico, melhorando assim o nosso mecanismo de defesa. Esses nutrientes também são chamados de imunonutrientes.

A ação farmacológica dos imunonutrientes têm sido muito estudada e os resultados são bastante promissores, principalmente em pacientes críticos e em indivíduos que passaram por procedimentos cirúrgicos, pois estes encontram-se em um estado de hipercatabolismo e hipermetabolismo (ou seja, possuem um consumo aumentado de nutrientes). Nestes casos os imunonutrientes atuam na melhora do sistema imunológico, modulando o metabolismo e diminuindo o processo inflamatório, reduzindo assim o índice de complicações no pós-cirúrgico.

O estudo dos efeitos farmacológicos dos imunonutrientes motivaram a formulação de dietas enterais e parenterais contendo nutrientes imunomoduladores como a arginina, glutamina, ácidos graxos ômega 3 e nucleotídeos. Então, vamos conhecer os benefícios de cada um desses imunonutrientes?

A glutamina é um aminoácido essencial dos mais abundantes na corrente sanguínea e na musculatura do nosso organismo representando 60% dos aminoácidos livres em nosso corpo. É reconhecido com importante fonte de energia para os enterócitos (células do intestino) e também pela sua importante ação no sistema imunológico. É um nutriente consumido por células de replicação rápida e em processos de injúria, ou estresse, onde as necessidades nutricionais encontram-se aumentadas. Além disso, regula o balanço nitrogenado prevenindo o catabolismo. Outras funções da glutamina: importante fonte de energia para a gliconeogênese; transporta entre os órgãos átomos de carbono e nitrogênio; e é precursor de nucleotídeos (que também são considerados imunonutrientes, veremos mais a diante).

  • Fontes Alimentares de Glutamina: carne, ovos, derivados de leite e da soja.

A L-arginina é um aminoácido não essencial precursor do óxido nítrico, que atua melhorando vasodilatação, sendo, portanto, interessante no tratamento de pacientes com doenças cardiovasculares. Mas é preciso ter cuidado na dose, pois quando em excesso a arginina pode ter efeito contrário e promover uma vasoconstrição, e consequentemente elevação da pressão arterial. Também atua favorecendo cicatrização de feridas, melhorando o sistema imunológico, estimulando liberação de hormônios (glucagon, catecolaminas, insulina, hormônio do crescimento e prolactina). Em homens, a arginina melhora processo de ereção naqueles com disfunção sexual. Também auxilia na recuperação pós-exercício, é importante em processos traumáticos como queimaduras e procedimentos cirúrgicos, melhorando a imunidade e auxiliando na restauração orgânica e no processo de cicatrização. É considerada construtora muscular por conta de seu potencial em estimular a liberação do Hormônio de crescimento (GH) e por estar envolvida na utilização de aminoácidos no processo anabolismo muscular.

  • Fontes Alimentares de Arginina: carnes, leites, ovos, queijos, alho, ervilhas e grãos.

Nucleotídeos são as unidades estruturais do DNA e do RNA que têm função de melhorar a cicatrização e o sistema imunológico. Também participam da formação de ATP, influenciando, assim, nos processos metabólicos. São dificilmente encontrados em fontes alimentares, estando disponível somente em suplementos alimentares ou fórmulas infantis.

Já o ômega 3 é um ácido graxo essencial para o nosso organismos,  encontrado em peixes, linhaça, castanhas e em óleos vegetais (exceto o óleo de coco – fonte de TCM). Atua modulando o processo inflamatório do paciente crítico, além de fazer parte da membrana celular e auxiliar no transporte de vitaminas lipossolúveis. Porém é preciso ter cuidado, pois quando em excesso pode causar hemorragias e ter um efeito imunossupressor.

Vitaminas antioxidantes como a vitamina A, E e C também são importantes para a modulação do sistema imunológico.

  • Vitamina A = importante para a manutenção da estrutura e integridade de células epiteliais e necessária para a resposta imunológica de linfócitos B e T;
  • Vitamina C = melhora a resposta imunológica e sua deficiência está associada a imunodepressão;
  • Vitamina E = componente de membranas, mucosa e tecido epitelial sendo importante para a manutenção da integridade de tecidos, e seu déficit está associado à diminuição da resposta imunológica e de hipersensibilidade.

Estudos já demonstraram que pacientes críticos em uso de dietas imunomoduladoras têm uma recuperação mais rápida, representando um menor tempo de internamento. Essa prática pode ser extrapolada para a clínica quando o pacientes estiver em período de acompanhamento para recuperação do estado nutricional ou em pacientes imunodeprimidos.

Mas lembre-se, somente seu médico ou nutricionista sabe qual a dose recomendada para você. Sendo assim, não use nenhum suplemento sem antes ser avaliado por um profissional habilitado.

Fonte:  ANutricionista.Com - Francis Moura Santos - CRN5 3243/P - Nutricionista em Salvador.

CUKIER, Celso. Glutamina, arginina, nucleotídeos e hormônio de crescimento na imunonutrição. Disponível em: . Último acesso em: 14/07/2011.

Imunonutrição. Disponível em: . Último acesso em: 18/07/2011.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário