Maltodextrina x Dextrina x Dextrose: Você sabe o que esta consumindo?

por Nutricionista Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602

Em busca de aumento de massa muscular ou simplesmente melhorar o rendimento esportivo, muitos adotam algum tipo de suplemento nutricional em sua rotina e na maioria dos casos sem orientação personalizada de um profissional da saúde.  O mercado de suplementos cresceu muito, no entanto, muitos destes ainda sem um consenso ou comprovação científica. Um suplemento de forma errônea pode trazer danos à saúde, como uma hipersensibilidade alimentar (que pode, por exemplo, propiciar a uma rinite ou sinusite), intoxicação, disfunção na tireóide (como hipotireoidismo), disbiose intestinal (tendo com um dos principais sinais o aumento de acne) entre outros.

Amplamente usados na forma de suplemento ou de forma “oculta” em muitos produtos alimentícios, o uso de carboidratos como maltodextrina, dextrina  e dextrose se tornou uma “febre”.

Para entender a diferença, veja como os carboidratos podem ser classificados:

- Simples (monossacarídeos: frutose, glicose, galactose; dissacarídeos: sacarose, lactose, maltose)

- Complexos (oligossacarídeos e polissacarídeos: amido, celulose, glicogênio).

Maltodextrina: é um derivado de amido (milho, mandioca, batata entre outros). É a combinação do carboidrato simples com o complexo.

Dextrina: é uma classe dos carboidratos complexos.

Dextrose: nada mais é um que nome “bonitinho” dado a glicose, portanto um carboidrato em sua forma mais simples (totalmente hidrolisado).

Durante a digestão os carboidratos complexos sofrem hidrolise (quebras) até se transformarem em carboidratos simples. Devido ao organismo não digerir e nem absorver todos os carboidratos com a mesma velocidade, um mecanismo foi desenvolvido para avaliar o efeito na glicose sanguínea: o índice glicêmico. Quanto maior o índice glicêmico mais rapidamente é elevada a glicose sanguínea e quanto mais simples o carboidrato maior o índice glicêmico.

Estas bebidas esportivas podem ser consumidas antes, durante e após o exercício, dependendo da finalidade e da impossibilidade de serem incluídos alimentos, como por exemplo:

- Pré-treino: que tem como principais objetivos prevenir ou retardar desequilíbrios (homeostáticos), otimizar a concentração de glicose no sangue e minimizar a depleção de glicogênio (que são as fontes energéticas primárias durante o exercício). Neste caso a suplementação deve ser feita 30 minutos antes do exercício e não dispensa uma refeição anterior com um carboidrato de baixo índice glicêmico.

- Durante: que tem como principais objetivos a melhora do rendimento e a preservação do glicogênio muscular. O ideal neste momento seria um carboidrato de médio índice glicêmico.

- Após-treino: principal objetivo é o favorecimento da ressíntese de glicogênio muscular e hepático. Este é o momento ideal para carboidratos de alto índice glicêmico.

Cabe ressaltar, que muitos destes produtos podem conter aditivos não tão interessantes a saúde, como por exemplo, a adição de adoçantes (aspartame, sucralose, entre outros) que podem aumentar a captação de glicose tardia (favorecendo ao ganho de peso futuro, aumentar o desejo por doces ou alimentos ricos em açúcar), causar alterações na tireóide, como no caso da sucralose que contém cloro em sua forma química, neste caso, o cloro pode bloquear a entrada de iodo na tireóide. Além de outros aditivos como corantes, muito relacionados com a hiperatividade por exemplo.

Portanto os alimentos devem ser sempre a prioridade, pois a sua composição vai além de somente carboidratos. Tão importante quanto uma refeição pré-treino, por exemplo, é a adequação diária dos nutrientes, lembrando que a deficiência de macronutrientes (carboidrato, proteína e gorduras) é muito mais improvável do que a deficiência dos micronutrientes (vitaminas e minerais) que participam de todos os processos fisiológicos, como a modulação hormonal (diminuição do hormônio catabolico, relacionado com a perda de massa magra e ganho de gordura).

Para maiores informações sobre suplementos, marcas, quantidade, consulte o seu nutricionista.

Fonte:  ANutricionista.Com - Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602 - Nutricionista em Piracicaba.

FAYH, A. P.T, UMPIERRE, D., SAPATA K. B. et al. Efeitos da ingestão prévia de carboidrato de alto índice glicêmico sobre a resposta glicêmica e desempenho durante um treino de força. Rev Bras Med Esporte vol.13 no.6, 2007.

SAPATA, K. B., FAYH, A. P., OLIVEIRA, A. R. Efeitos do consumo prévio de carboidratos sobre a resposta glicêmica e desempenho. Rev Bras Med Esporte vol.12 no.4, 2006.

MOORE, G. R. P., CANTO, L.R., AMANTE, E. R., SOLDI, V. Mandioca e amido de milho na produção de maltodextrin. Quím Nova vol.28 no.4, 2005.

SOFFRITTI, M., BELPOGGI, F., TIBALDI, E., et. al. Life-Span exposição a baixas doses de aspartame início durante a vida pré-natal aumenta os efeitos de câncer em ratos. Jornal Lista Ambiente Saúde Perpect. V 115 (9), 2007.

SOFFRITTI, M., BELPOGGI, F., TIBALDI, E., et. al. O aspartame administrado na alimentação desde o pré-natal, induz a câncer de fígado e de pulmão em camundongos machos suíços. Am J Ind Med ; 53 (12): 1197-206, 2010.

YANG Q. Ganho de peso por "dieta está indo?" Os adoçantes artificiais ea neurobiologia da ansiedade pelo açúcar: Neuroscience 2010. Yale J Biol Med ; 83 (2): 101-8, 2010.

POLYAK E., GOMBOS, K., HAJNAL B., et. al. Efeitos de adoçantes artificiais sobre o peso corporal, consumo de alimentos e bebidas. Acta Physiol Hung ; 97 (4): 401-7, 2010.

RODERO, A. B., RODERO, L. S. & AZOUBEL, R. Toxicidade de Sucralose em Seres Humanos: Uma Revisão. Sucralose toxicidade em humanos: uma revisão Int. J. Morphol. Temuco V.27 n.1 ter 2009.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário