Intolerância à lactose ou Alergia a proteína do leite de vaca?

por Nutricionista Paulo Henrique Rodrigues - CRN8 6476

leite

Vocês com certeza já ouviram falar sobre a intolerância à lactose, e provavelmente conhece alguém que tenha. Mas você já ouviu falar de alergia à proteína do leite de vaca? Descubra a diferença, e os cuidados necessários na hora da alimentação.

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

A intolerância à lactose é a incapacidade do organismo digerir essa substância conhecida como o “açúcar do leite”,  com isso ocorre uma reação exacerbada do organismo quando entra em contato com a lactose.

Essa incapacidade de digerir a lactose se deve a ausência total ou parcial de uma enzima especializada nessa ação, a lactase, encontrada na parede do intestino delgado.

A ausência da lactase pode ter vários motivos, podendo ser desde um defeito na produção da enzima ou até uma deficiência do tipo adulto.  Estima-se que 70% da população mundial tenham um certo grau de deficiência da lactase, sendo que a concentração dessa enzima diminui muito a partir dos 5 anos de idade. Entretanto, nem todos são intolerantes à lactose, já que esse agravo depende também de fatores genéticos e nutricionais.

A intolerância à lactose  pode ainda ser secundária, ou seja, decorrente de algum problema na parede intestinal, como por exemplo, a diarréia infecciosa ou o uso prolongado de antibióticos e até mesmo a desnutrição. Vale ressaltar que a lactase é a primeira enzima da borda intestinal a ser afetada quando há algum dano.

Quando a lactose não é digerida no intestino delgado, ela chega intacta ao intestino grosso, onde é fermentada pelas bactérias presentes ali. Essa fermentação produz ácidos orgânicos e gases, que em grande parte são absorvidos. Porém, a parte não absorvida conduz ao surgimento dos sintomas.

Os sintomas mais comuns são desconforto abdominal,  e a  flatulência. A diarréia também é uma manifestação típica, entretanto só ocorre quando há uma grande quantidade de lactose no intestino.Com isso as bactérias não são capazes de fermentá-las totalmente, e assim, essa lactose integra atrai água até o intestino grosso. O grande volume de água faz com que o intestino aumente a intensidade de seus movimentos, causando a diarréia aquosa.

O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais, mas é importante prestar atenção ao histórico alimentar e ao surgimento de sintomas. A demora no diagnóstico e consecutivamente no tratamento pode trazer consequências graves, principalmente nos recém-nascidos.

ALERGIA A PROTÉINA DO LEITE DE VACA (APLV)

A APLV é caracterizada pela reação do sistema imunológico quando o organismo entra em contato com a proteína do leite de vaca. Essa alergia ocorre principalmente nos três primeiros anos de vida, desaparecendo por volta dos quatro anos, e sendo ainda mais raro em adolescentes.

A maior causa que pode ser apontada é a inclusão muito precoce do leite de vaca e fórmulas infantis na alimentação da criança, em detrimento do leite materno. A imaturidade do aparelho disgestório e do sistema imune, comum nessa faixa etária, são fatores importantes para o desenvolvimento da APLV.

Entretanto, mesmo através do leite materno o recém-nascido pode entrar em contato com a proteína do leite de vaca. Portanto é extremamente importante as mães prestarem atenção na sua alimentação e no surgimento de sintomas no bebê. Os sintomas são vômitos, dor abdominal, diarréia, flatulência, presença de sangue nas fezes e dermatites (vermelhidão na pele, aparência de “pele grossa”), podendo desencadear outros processos alérgicos como asma e eczemas.

O surgimento desta doença se dá não só pela presença da proteína do leite de vaca, mas também pela permeabilidade da parede intestinal além do fator genético.

O diagnóstico deve ser criterioso, incluindo além de exames laboratoriais a retirada de todo e qualquer alimento que tenha a proteína do leite de vaca por um curto período, seguida pela reintrodução dos alimentos para observação de sintomas.

TRATAMENTO

O tratamento de ambas as doenças requer a retirada do leite de vaca, o que afeta diretamente o aporte de cálcio e prejudica a quantidade de proteínas da alimentação. É importante ressaltar que a retirada desses alimentos sem que haja uma substituição adequada, pode acarretar em consequências graves, principalmente para crianças e recém-nascidos.

O tratamento diverge um pouco quando a questão são os derivados e produtos que contém na sua formulação o soro de leite, por exemplo. No caso da intolerância à lactose, alguns derivados são bem aceitos, como os iogurtes por exemplo. Algumas medidas, como acrescentar achocolatado ao leite, pode amenizar os sintomas, além da opção de substituir por produtos que tenham um teor reduzido de lactose. Medidas como a prescrição de cápsulas de lactase, podem fazer parte do tratamento, de acordo com a conduta de cada profissional.

Na APLV deve ser excluída TODOS os derivados e produtos como achocolatado, biscoitos doces, e todos os produtos que apresentem soro de leite, leite em pó e demais ingredientes oriundos do leite, inclusive da alimentação da mãe, no caso de amamentação. Portanto, é imprescindível que se leia os rótulos do alimentos, antes da compra.

Vale lembrar que em alguns casos ambos os agravos podem ser temporários, e que as informações contidas aqui têm caráter educativo, sendo que um médico e um nutricionista devem ser procurados para uma avaliação individual.

Fonte:  ANutricionista.Com - Paulo Henrique Rodrigues - CRN8 6476 - Nutricionista em Marialva.

Téo CRPA. Intolerância à lactose: uma breve revisão para o cuidado nutricional . Arq ciências saúde UNIPAR. 2002;6(3):135-140.

Swagerty Jr DL, Walling AD, Klein RM. Lactose intolerance. AFP. 2002;65(9):1845-50.

Beyer PL. Terapia nutricional para distúrbios do trato gastrointestinal inferior. In: Mahan LK, Escott-Stump S.

Krause: alimentos, nutrição & dietoterapia. São Paulo: Roca, 2005. p.684-7.
Pereira, PB; Silva, CP da. Alergia a proteína do leite de vaca em crianças: repercussão da dieta de exclusão e dieta substitutiva sobre o estado nutricional. Pediatria.2008;30(2):100-106
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

4 Comentários para “Intolerância à lactose ou Alergia a proteína do leite de vaca?”

  1. Estervânia Maia comentou:

    Parabéns Paulo!
    Seu artigo está excelente.
    Linguagem simples, perfeitamente compreensível para o público leigo.
    Muita paz e muita Luz na tua vida.

  2. phnutri comentou:

    Obrigado Estervânia,
    Fico feliz que tenha gostado!
    Continue acompanhando os artigos aqui no site, e indique para amigos..

    Abraço.

  3. Neide comentou:

    Muito bom o artigo, tenho intolerância a lactose, descobri a pouco tempo, agora compreendo o porque das minhas alergias. Abraços.

  4. Paulo H. Rodrigues comentou:

    Olá Neide,

    Fico feliz que tenha gostado. Ajude a divulgar, muita gente possui a intolerância mas não sabe, por isso é sempre bom estar a atento ao sinais e sintomas.

    Abraço

Deixe um comentário