Implicações nutricionais para atletas de sexo feminino: a tríade

por Nutricionista Perla Menezes Pereira - CRN3 14198

Atualmente, há um incentivo do aumento da  atividade física como forma de qualidade de vida, o que é válido e muito importante. Assim, cada vez mais as mulheres buscam por exercícios para manter o físico e mesmo aumentar a performance – esporte amador ou de competição. Dentro desse cenário, observamos um fenômeno ainda desprezado pela maioria das pessoas (família, treinadores, atletas), a tríade da atleta do sexo feminino. Ginastas, bailarinas, patinadoras, corredoras, lutadoras, tenistas, nadadoras de nado sincronizado e amazonas são apontadas como as modalidades em que a presença da tríade é frequente. A tríade diminui a performance e promove comorbidades médicas (aumento de lesões e fraturas) e até psicológicas.

O principal fator para a ocorrência da tríade é a “pressão” que as mulheres sofrem para atingir e manter um peso “irreal” – há pesquisas mostrando que até modalidades que não tem o peso como fator muito determinante, como o futebol, há a ocorrência da tríade. Meninas ganham massa gorda na puberdade e são encorajadas a perder peso para melhorar a performance e a aparência, muitas recorrem a diuréticos, jejum prolongado e restrição alimentar, o  que as colocam em risco nutricional.  Um estudo norueguês mostrou que há maior risco de desenvolvimento da tríade em atletas em comparação a mulheres não atletas. E, entre o grupo de atletas, foi observado risco maior entre as modalidades que “precisam” de físico magro, bem como entre as modalidades artísticas que dependem da estética magra.

A tríade é uma adaptação fisiológica relacionada ao gasto energético negativo por longos períodos de tempo. A disponibilidade energética baixa acarreta disfunção menstrual (amenorréia hipotalâmica) e perda de massa óssea, estando ligada ou não a desordem alimentar (bulimia e anorexia). Está bem estabelecida na literatura que a principal causa de osteoporose/osteopenia em mulheres menores de 16 anos é a reduzida produção de hormônios ovarianos. Entretanto, devemos reconhecer que a tríade também ocorre entre as atletas que não buscam a perda de peso como meta. Isso, simplesmente pelo excesso de treinamento – “overtraining“. O treinamento inibe o centro da fome, localizado no hipotálamo, em virtude do aumento da temperatura corporal que ocorre durante e persiste após o treinamento. Além disso, há modalidades esportivas que demandam necessidade de ingestão calórica diária de 6000 Kcal ou mais – há atletas que precisam comer um volume grande de alimentos o dia todo. Importante salientar que a manifestação clínica da tríade se apresenta quando a ingestão energética diária é menor que 30 Kcal/g de massa magra.

Os sinais da tríade precisam ser reconhecidos pela família e treinadores e eles não deveriam pressionar as garotas em virtude do peso. Portanto, mulheres fisicamente ativas e as atletas deveriam ser educadas quanto a nutrição e práticas seguras de treinamento.  Com relação ao tratamento da tríade, ele deve ser individualizado e multidisciplinar, com a ingestão calórica adequada ao gasto energético diária e a recomendação de cálcio em 1500 mg ao dia e vitamina D em torno de 400-800 UI ao dia, como forma de restabelecer o metabolismo ósseo. É extremamente importante apontar o papel do nutricionista no processo de tratamento, pois apenas o restabelecimento do estado nutricional mostra-se efetivo na reversão da tríade. Não há tratamento farmacológico capaz de reverter, por si só, os efeitos da osteopenia nem a perda da função reprodutiva - a nutrição é a linha de frente do tratamento. Nos casos em que há transtornos alimentares (anorexia/ bulimia) envolvidos, a terapia psicológica também deve ser implementada.

Fonte:  ANutricionista.Com - Perla Menezes Pereira - CRN3 14198 - Nutricionista em Ribeirão Preto.

Nattiv A et al. American College of Sports Medicine position stand. The female athelet triad. Med. Sci. Sports Exerc. 2010. 39 (10): 1867-82.

Torstveit MK; Sundgot-Borgen J. The female athelet triad: are elite atheletes at increased risk? Med. Sci. Sports Exerc. 2005. 37 (2): 184-193.

Warr BJ; Woof K. The female athelet triad: patients do best with a team approach to care. Endocrinol. Metab. Clin. North Am. 2010. 39 (1): 155-167.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário