Gestante e os fitoterápicos

por Nutricionista Francis Moura Santos - CRN5 3243/P

_cha[1]

A Revista Brasileira de Nutrição Funcional de nº 46, publicada no ano passado, trouxe um artigo alertando sobre o uso de fitoterápicos durante a gestação. Acontece que durante a gestação a futura mãe ouve de amigos, vizinhos e parentes muitas indicações de “chazinhos” que podem auxiliar na diminuição de algum mal estar próprio da gravidez. Mas, quando é que esses “chazinhos” podem fazer mal para a mãe e para o bebê?

Acredita-se que pelo fato de serem produtos naturais, provenientes de plantas, em sua maioria, os fitoterápicos não causam nenhum efeito colateral, o que incentiva o consumo entre a população, inclusive entre gestantes e lactantes. Porém, mesmo sendo de fontes naturais, os fitoterápicos podem causar efeitos colaterais assim como qualquer outro medicamento. Os dados sobre os efeitos colaterais de fitoterápicos em gestantes e lactantes ainda são pouco consistente, devendo haver, portanto, uma precaução quanto ao uso desses produtos.  Outro cuidado que a gestante deve ter é o de informar ao seu médico caso esteja usando algum fitoterápico. Pacientes raramente informam ao profissional de saúde se estão fazendo uso de plantas medicinais, dificultando muitas vezes a indentificação de um possível efeito colateral.

Estudos já demonstraram que alguns fitoterápicos, quando utilizados durante a gestação ou lactação, podem causar efeitos adversos como estímulo da contração uterina, o parto prematuro e até o aborto. Outros possuem ainda ação hormonal, podendo provocar alterações no desenvolvimento e mal formações fetais.

A constipação intestinal, por exemplo, é um sintoma comum durante a gestação e que muitas vezes é tratado com alguma planta medicinal definida como laxante, a exemplo temos o sene, o ruibarbo, frângula e a babosa. Porém, essas plantas possuem antraquinonas e não devem ser utilizadas durante a gestação, principalmente nos três primeiros meses, podendo induzir contrações uterinas na gestante, aumentar o fluxo sanguíneo para o útero seus e anexos, aumentando assim as chances de ocorrer um aborto. Em lactantes essa substância pode ser passada pelo leite e causar espasmos no bebê.

Outra principal causa que faz com que a gestante busque por fitoterápicos, o enjôo matinal, tem o gengibre como principal planta utilizada para amenizar o mal estar, porém os estudos ainda não são conclusivos sobre os possíveis efeitos colaterais desta planta. Sabe-se que o gengibre possui compostos que podem atuar diminuindo a agregação plaquetária. Sendo assim, é preciso ter muito cuidado com gestantes que estão em uso de anticoagulantes e/ou próximo ao trabalho de parto.

Algumas plantas possuem seu efeito já bem estudado e devem ser evitadas por mulheres gestantes e lactantes, essa plantas são consideradas abortivas e emenagogas (que provocam a menstruação). Além de serem plantas que podem provocar o aborto, quando utilizadas em altas doses ainda provocam uma intoxicação sistêmica no organismo do indivíduo que a consumiu. As dez principais plantas que devem ser evitadas durante a gestação e lactação, principalmente durante os três primeiros meses, são: sene, arruda, boldo, buchinha-do-norte ou cabacinha, marcela, canela, quina-quina, cravo, aroeira e agoniada.

Além das plantas citadas acima, também deve ser restrito durante a gestação o uso de fitoterápicos a base de carqueja, arnica, fucus, hibiscus, noz-moscada, cáscara-sagrada, romã, cavalinha, arnica, babosa e cardo-mariano, principalmente, no primeiro trimestre gestacional ou de lactação.

Diante do exposto é possível ver como é importante o acompanhamento do médico e nutricionista durante a gestação, pois somente um profissional habilitado pode dizer qual fitoterápico é bom para você e seu bebê!

Fonte:  ANutricionista.Com - Francis Moura Santos - CRN5 3243/P - Nutricionista em Salvador.

SOARES, Carolina Schilling. Fitoterapia na gestação: conceitos, reações adversas e contra-indicações. Revista Brasileira de Nutrição Funcional. Ed 46. São Paulo, 2010.

FOSTER, Della A. et al. Herbal medicine use during pregnancy in a group of Australian women. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1471-2393/6/21. Último acesso em: 08/05/2011.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário