Estado nutricional do Idoso

por Nutricionista Ana Catarina P. de Aquino Andrade - CRN6 7128

Idoso1

Com um número cada vez maior de idosos na nossa população, devemos ficar atentos ao fato de que eles são os mais susceptíveis à alterações no estado nutricional. Alguns fatores são: alterações fisiologicas próprias do envelhecimento, doenças crônicas e as condições socioeconômicas e familiares.

Nas mulheres, a menopausa também influi no estado nutricional, com aumento de peso e de tecido adiposo. No decorrer da sua vida, a mulher perde 40% do cálcio dos ossos, aproximadamente metade nos primeiros cinco anos após a menopausa e a manutenção é baixa ao longo da vida.

O hábito alimentar do idoso não é determinado somente por preferências ou mudanças fisiológicas, mas também por questões de integração social como solidão, isolamento social, acesso a transporte, condição financeira e supressão de refeições. Esses fatores predispõem o idoso à falta de preocupação consigo, fazendo com que se alimente de maneira inadequada em termos de quantidade e qualidade.

Muitas vezes, a inapetência e fruto da depressão. O nutricionista pode contribuir ao dar orientação sobre  preparação de alimentos que tragam lembranças boas, seleção de alimentos que causem prazer e para a realização de refeições em família ou com amigos.

Outro fator que altera o estado nutricional do idoso é a saúde oral, principalmente pelo aumento da prevalência de cáries dentárias, por infecções periodontais, pela utilização de próteses mal ajustadas e pela xerostomia (diminuição da saliva). A  saliva tem papel relevante no processo digestivo, na prevenção de cáries, doenças periodontais e lubrificação de mucosa. As pessoas que usam prótese têm a mastigação menos eficiente do que aquelas com dentes naturais; nota-se redução da escolha de alimentos que exigem a mastigação como carnes, frutas, vegetais crus e aumento da escolha de alimentos fáceis de ingerir como os doces, o que resulta em perda da qualidade da alimentação e na formação de placa bacteriana, devido ao acúmulo de alimentos ao redor dos dentes.

Alguns estudos afirmam que o envelhecimento natural não causa xerostomia, e sim o uso de medicamentos e algumas doenças crônicas. Já a sensibilidade para sabores e odores diminui com a idade, o que também altera a ingestão alimentar. Isso ocorre devido a redução do número e das funções das papilas gustativas na língua que leva a perda do prazer de preparar e variar os alimentos consumidos.

A visão, quando prejudicada, também leva à diminuição do apetite, pela diminuição do reconhecimento dos alimentos e da habilidade de se alimentar. No idoso também ocorre atrofia de mucosa gastrica, que provoca hipocloridria, afetando a absorção de cálcio e ferro. Um esvaziameno gástrico mais lento também ocorre, e está relacionado com a saciedade precoce.

Outro fator recorrente é a constipação intestinal, e ela está intimamente relacionada com a baixa ingestão de líquidos, de fibras e sedentarismo. Ocorre redução da sensação de sede por uma disfunção cerebral e diminuição da sensibilidade de osmorreceptores.

Alguns dos medicamentos mais frequentemente utilizados e seus efeitos colaterais mais comuns em relação ao estado nutricional do idoso são os seguintes:

1. Tranquilizantes e  Psicofármacos: podem diminuir a absorção intestinal

2. Diuréticos e Laxantes: podem causar desidratação de depleçãs de eletrólitos

3. Antibióticos: alteram a flora intestinal provocando má absorção de carboidratos, vit B12, cálcio, ferro e magnesio

4. Glicocorticóides: presdispõem a gastrite, osteoporose e hiperglicemia

5. Analgésicos e Antiinflamatórios: favorecem gastrite e úlceras.

Enfim, devemos estar sempre atentos aos fatores que podem levar nosso idoso à uma má nutrição e se você tem um idoso na família lembre-se que um nutricionista é o profissional mais indicado para cuidar da alimentação dessa grande parcela da população.

Fonte:  ANutricionista.Com - Ana Catarina P. de Aquino Andrade - CRN6 7128 - Nutricionista em Recife.

Nutrição:da gestação ao envelhecimento. Marcia Regina Vitolo. Ed. Rubio, 2008, Rio de Janeiro.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário