Enxaqueca: Uma questão alimentar?

por Nutricionista Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602

A enxaqueca é caracterizada como uma dor de cabeça moderada ou severa, localizada no fronto-temporal unilateral ou bilateral, pulsátil ou pressão, muito comumente associada a náuseas (vômitos), intolerância a barulhos e a luz. A frequência pode variar muito de uma pessoa para outra. Acomete aproximadamente 12% da população feminina, principalmente em mulheres acima do peso, chegando a refletir um impacto na economia e na qualidade de vida. Dentre o grupo de celíacos, a incidência de enxaqueca aumenta para 18,6%.

Os principais fatores associados a crises são:

Insônia: geralmente pessoas com menos melatonina (hormônio da glândula pineal) tem enxaqueca. Destaco, que pessoas com o intestino não saudável geralmente apresentam menos melatonina.

Estresse, tensão

Alterações hormonais: suspeita-se associação com o hormônio estradiol, sendo então, predominante durante o período menstrual, quanto este hormônio tem uma diminuição significativa. Além dos hormônios do ciclo menstrual, os opioides endógenos e serotonina também apresentam alterações nestes períodos.

Depressão e distúrbio da serotonina: a serotonina é um neurotransmissor, que tem com uma de suas funções, impedir estímulos como a dor. Tanto o excesso, como a falta pode contribuir para as crises.

A não amamentação materna exclusiva, vem sendo associado como fator, uma vez que o leite materno proporciona inúmeros benefícios como prevenção de deficiências nutricionais, equilíbrio de flora intestinal, melhora do sistema imunológico, entre outros.

Pré-disposição genética: onde podemos considerar fatores como, menor detoxificação do fígado, levando a alterações hormonais, bem como hábitos alimentares passados de geração para geração, entre outros.

Jejum prolongado: favorece a baixa concentração de glicose no sangue, o principal combustível e fundamental para formação da serotonina.

Desidratação

Sensibilidade alimentar: Os estudos demonstram que, em 65% dos casos, fatores alimentares estão associados. Os principais alimentos são:

Bebidas alcoólicas (vinho tinto, vinho branco, cerveja ou destilados).
Chocolates (principalmente ao leite)
Leite e derivados
Frutas cítricas (laranja, limão, abacaxi); ou ricas em octapamina, dopamina (banana, passas, fígo, ameixa vermelha, abacate)
Embutidos e carne vermelhas
Café e alguns chás e refrigerantes (a base de cola)
Frituras ou alimentos ricos em gorduras (saturadas  e trans)
Adoçantes como aspartame e sucralose
Glutamato monossódico, presente em muitos produtos industrializados e restaurantes como tempero

Tão importante quanto identificar as sensibilidades alimentares e adequar sua frequência é ter uma alimentação adequada, rica em nutrientes que modulam a produção hormonal de serotonina, aumentar o consumo de alimentos que melhorem o quadro inflamatório como o gengibre, por exemplo, favorecer a uma melhor desintoxicação hepática (limpeza de fígado), para regulação hormonal e atenuação da inflamação. Neste contexto, o intestino tem um papel fundamental na eliminação de toxinas do dia a dia, além da absorção de nutrientes.
Dentre as deficiências nutricionais chamo a atenção para as deficiências do complexo B, visto que muitas mulheres fazem o uso de contraceptivos, que aumentam a excreção e/ou utilização destas vitaminas; a deficiência de vitamina D, pois hoje ficamos mais fechados em casa ou no trabalho com menor exposição a luz solar; deficiência de magnésio e cálcio de boa biodisponibilidade, pelo baixo consumo de alimentos da cor verde escura; alta exposição a alimentos com perfil inflamatório e aditivos químicos, etc.
Além do adequamento da dieta, muitos fitoterápicos vêm apresentando bons resultados, como é o caso da Melissa, manjericão, alfavaca , ginkgo biloba, tanaceto, entre outros.Procure o seu nutricionista e se informe mais sobre o assunto.

Fonte:  ANutricionista.Com - Daniela Mendes Tobaja - CRN3 27602 - Nutricionista em Piracicaba.

FELIPE, M. R.; CAMPOS, A.; VECHI, G.; MARTINS, L. Implicações da alimentação e nutrição e do uso de fi toterápicos na profi laxia e tratamento sintomático da enxaqueca – uma revisão. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, SP, v. 35, n. 2, p. 165-179, ago. 2010.

IGLESIAS H.C.E., BOTTURA R., NAVES M.M.V. Fatores nutricionais relacionados à enxaqueca. Com. Ciências Saúde.20(3):229-240, 2009.

SERVA W.A.D., SERVA V.M.S.B.D, CAMINHA M.F.C, et. al O Aleitamento Materno Exclusivo protegido contra uma recorrência de crises de enxaqueca sem Pós-Parto? Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.70 no.6 São Paulo, 2012.

D´ANDREA G., OSTUZZI R., BOLNER A., et al. Estudo do metabolismo de tirosina em transtornos alimentares. Possível correlação com enxaqueca. Ciências Neurológicas, PP 88-92, v. 29, 2008.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário