Disbiose, você já ouviu falar disso?

por Nutricionista Ana Paula Fidélis - CRN9 6192

Disbiose é um estado no qual há maiores concentrações de bactérias patogênicas (nocivas) em detrimento de bactérias benéficas no nosso intestino, boca ou no trato gastrointestinal.

No nosso organismo há um grande número de microorganismos, dentre eles, bactérias e fungos. A  colonização destes microorganismos não se dá uniformemente ao longo do intestino, suas atividades dependem do local onde estão e de suas quantidades. A microbiota intestinal normal está em um complexo equilíbrio e nos confere um papel importante na nutrição, fisiologia e regulação do sistema imune. Algumas de suas atividades são síntese de enzimas digestivas, síntese de vitaminas do complexo B e de vitamina K, redução dos níveis de colesterol sanguíneo, detoxificação de medicamentos, proteção com síntese de células de defesa e outros.

A disbiose pode ser instalada por diversos fatores. O primeiro deles está no canal de parto. Diversos estudos mostram que crianças nascidas de parto cesáreo tem conteúdo de bactérias patogênicas maiores que crianças nascidas de parto normal. Outro fator é o aleitamento materno que confere melhores características para proliferação de bactérias benéficas. Outros fatores como alimentação rica em carboidratos simples (açúcares, doces, farinhas brancas, sorvetes e etc), pobre em fibras, verduras e legumes , rica em gorduras saturadas e trans, consumo de medicamentos como antibióticos também favorecem o estado de disbiose. Sabe-se também que esta alimentação favorece o aparecimento de candidíase. Outro fator a ser destacado é o estado imunológico. Pessoas estressadas e imunodeprimidas têm maiores chances de uma colonização de bactérias patogênicas.

Consequências da disbiose: as bactérias patogênicas produzem diversos fatores que contribuem para o aparecimento de câncer. Estudos mostram que esta exposição de disbiose ao longo da vida reflete em um aparecimeto de câncer de 30 a 60 anos depois. Outro fato importante é o aumento da permeabilidade seletiva do intestino. Com o aumento da permeabilidade intestinal há o aumento da absorção de moléculas e proteínas que não deveriam ser absorvidas. Esta absorção ininterrupta leva a uma sobrecarga no fígado que tenta eliminá-las através da detoxificação e sobrecarga do sistema imunológico que realiza a síntese de células de defesa que viajam na circulação sanguínea e se depositam em vários órgãos. Este depósito de imunocomplexos leva a inúmeras alterações e ao aparecimento de doenças como dislipidemias (diminuição do HDL, aumento do colesterol e LDL), gastrite, depressão, fibromialgia, obesidade, estresse, candidíase crônica e outras dependendo do órgão choque.

O que você pode fazer para melhorar: consumir prebióticos que são alimentos para as bactérias benéficas. Dentre eles estão a cebola, o alho, tomate, aspargos, alcachofra, banana, sementes e talos de raízes. Diminuir o consumo de doces em geral, açúcares, farinhas brancas, medicamentos de uso indiscriminado, álcool, cigarro. Beber bastante água e praticar atividade física.

Lembrem-se: as informações aqui passadas não são individualizadas e para serem aplicadas com sucesso, deve-se procurar um nutricionista.

“Um alimento que faz bem a alguém, não quer dizer que fará bem ao outro.”

Fonte:  ANutricionista.Com - Ana Paula Fidélis - CRN9 6192 - Nutricionista em Belo Horizonte.

Referências Bibliográficas:
Pascoal Valéria, Naves Andréia, Fonseca Ana Beatriz. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. 1a edição. São Paulo. 2007.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

3 Comentários para “Disbiose, você já ouviu falar disso?”

  1. Rosa Cajueiro comentou:

    Essas informações são muito boas!

  2. Valéria Araujo comentou:

    O site está cada vez melhor, com matérias interessantíssimas que muito colaboram para a nossa saúde.
    Vocês estão de parabéns!

    Valéria.

  3. Idinei comentou:

    Boa tarde.

    Como posso saber se estou com disbiose e não SII?

Deixe um comentário