Dificuldade de deglutição – Disfagia

por Nutricionista Adriana Fernandes Miranda - CRN4 09100076

disfagia

A dificuldade pra engolir, conhecida como disfagia, pode ser conseqüência de inúmeras doenças que podem acometer em qualquer parte do sistema digestivo, desde a boca até o estômago. Pode acontecer em duas fases, a oral (quando compromete a mastigação e o ato de engolir) e a faríngea (que é involuntária, quando o alimento já foi engolido).

A disfagia não é uma doença, mas sim um sinal de algum mau funcionamento do esôfago (canal que leva a comida da boca até o estômago). Ela pode ser causada por distúrbios de ordem neurológicas, mecânicas, psicológicas e também pode decorrer do envelhecimento natural

Segundo estatísticas mundiais, a disfagia atinge 60% dos idosos que sofrem com doenças degenerativas, e de 30 a 40% daqueles que têm seqüelas decorrentes de AVC (derrame). O diagnóstico da disfagia é, em geral, realizado pelo fonoaudiólogo, através da avaliação funcional da deglutição.

Quando a pessoa tem disfagia, normalmente ela perde a satisfação em comer pela dificuldade de deglutição. Pode resultar, ainda, na entrada do alimento nas vias respiratórias, causando tosse, falta de ar e até mesmo pneumonia. Este contexto revela a importância do diagnóstico precoce para prevenção de pneumonia e desnutrição, além de desidratação.

O tratamento nutricional tem como objetivos prevenir a aspiração do alimento, e conseqüentemente, sufocamente e pneumonia; facilitar a deglutição, promovendo maior segurança e independência para o paciente; e manter ou recuperar seu estado nutricional, corrigindo possíveis desnutrição e desidratação.

Os alimentos devem ser modificados, conferindo maciez, como aquela encontrada em purês, mingaus e preparações liquidificadas, de acordo com a capacidade de deglutição do paciente. Devem ser também bem atraentes como uma refeição normal e nutricionalmente completa.

Os líquidos são o maior desafio no tratamento da disfagia, pois podem escorrer e atingir as vias aéreas (respiratórias), daí vem a necessidade de serem engrossados com espessantes. Os sucos podem substituir a água e melhorar o paladar, além de fornecer mais nutrientes e calorias. Os caldos e molhos lubrificam os alimentos, facilitando a deglutição e podem ajudar na mastigação.

Para um tratamento nutricional adequado, há necessidade não só de alterar a textura de alimentos sólidos e líquidos, como também garantir a ingestão de calorias e proteínas. Se a ingestão for insuficiente, talvez haja necessidade de utilização de suplementos hipercalóricos. Já as refeições frias, como iogurte e vitaminas, podem aliviar a dor provocada pelo distúrbio. Variar o cardápio é importante.

Os espessantes utilizados em pacientes disfágicos, modificam as características de consistência dos alimentos líquidos e semissólidos, quentes ou frios, permitindo uma deglutição mais segura por minimizar os riscos de aspiração.

O nutricionista pode garantir que a dieta permaneça palatável e nutricionalmente adequada, recomendando mudanças na consistência alimentar. As refeições pequenas e frequentes também podem estimular e aumentar a ingestão calórica e proteica. Alimentos e líquidos com textura modificada têm um papel importante na prevenção de complicações e melhora da qualidade de vida.

Diante disso, a dificuldade de engolir substâncias líquidas ou sólidas não deve ser negligenciada, mesmo que o problema pareça algo banal. Quanto mais cedo o distúrbio for diagnosticado, menos chances ele tem de provocar danos irreversíveis.

Fonte:  ANutricionista.Com - Adriana Fernandes Miranda - CRN4 09100076 - Nutricionista no Rio de Janeiro.

Revista Nestlé Bio Nutrição e Saúde. Janeiro de 2011, ano 05, nº 13. São Paulo. ISSN 2176-8463.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário