Dieta sem calorias ou Planos com nutrientes?

por Nutricionista Ana Paula Fidélis - CRN9 6192

Dieta

A caloria é a quantidade de energia que um alimento contém e que é utilizada no nosso corpo para todas as nossas atividades e funções como por exemplo andar e praticar atividade física. Todos nós temos que ingerir calorias para que possamos realizar nossas funções e o corpo as dele.

Antigamente pensava-se que restringir calorias para chegar a um objetivo como por exemplo a perda de peso, era o mais importante a se fazer. Muitas pessoas ainda acreditando nesta teoria ficam contando calorias e ficam escravas deste pensamento. Quando se pensa em dieta, logo vem a mente:  fechar a boca, passar fome, consumir produtos diet e light, aumentar o consumo de adoçantes, evitar uma série de alimentos calóricos como abacate, açaí, granola, arroz integral, azeite, inhame, batata doce, beterraba, castanhas, nozes, enfim, e outros que são retirados do consumo.

Há algum tempo se fala sobre os planos alimentares ricos em nutrientes, fitoquímicos, antioxidantes, alimentos que diminuem a inflamação, que diminuem os hormônios do estresse e que favorecem uma melhora do corpo como um todo para a chegada do objetivo principal do paciente seja ele qual for. Quando se pensa em plano alimentar, pode ser associado os seguintes pensamentos: reeducação alimentar, comer de tudo com moderação, ingerir alimentos antioxidantes (que previnem contra doenças), ingerir alimentos que ajudam a diminuir gordura abdominal, comer alimentos ricos em nutrientes, gorduras boas e estes alimentos quase sempre são aqueles ditos como “calóricos” e que “não poderiam” ser consumidos.

O mais importante conhecimento do nosso corpo é que somos feitos de trilhões de células e que cada célula precisa de no mínimo 44 nutrientes. Estes nutrientes vem de alimentos que os fornece em quantidade adequada e como dito, quase sempre são os alimentos mais calóricos. Outro pensamento importante é que se não ingerirmos as quantidades de nutrientes necessárias não teremos o alcance do objetivo com sucesso. Vou citar alguns exemplos: restringir calorias e fazer atividade física: quando há uma restrição de calorias inadequada há perda de massa muscular já formada e o paciente perde peso, mas este peso era de músculos e então fica flácido e com um percentual de gordura maior. Esta perda de músculos quanto maior for, mais irá contribuir para a diminuição na oxidação de gorduras, consequentemente perda de peso. Logo o paciente entra em um ciclo em que há perda de massa muscular, aumento da gordura e quando cessa as atividades, ganho ainda maior de gordura e não consegue perder peso como perdia antigamente começando o efeito sanfona.

Outro exemplo interessante: o abacate é uma fruta que contém coenzima Q10 que ajuda na produção de energia e vitalidade. Esta coenzima está dentro das mitocôndrias (responsáveis por produção de energia) e estas estão dentro das células. Quando há ingestão da coenzima Q10 adequadamente, há uma maior produção de energia para o nosso corpo realizar as funções como oxidação de gorduras, ou seja, perda de peso. Há também um aumento da energia, vitalidade, disposição, mémoria, concentração, dentre outros. Aqui somente foi citado a coenzima Q10 mas no abacate existem diversos componentes que ajudam a melhorar o corpo como um todo e a chegar ao objetivo quase único da maioria das pessoas: perda de peso.

As dietas quase sempre privam as pessoas de consumirem o abacate, como um exemplo de alimento calórico e as fazem diminuir ingestão de calorias. Há uma troca de alimentos que forneceriam nutrientes para acelerar o metabolismo para alimentos com calorias vazias como os produtos diet e light, ricos em adoçantes e que somente pioram o estado do paciente.

Já foi muito elucidado a importância de ingerir alimentos com qualidade nutricional para se ter uma vida saudável e um objetivo alcançado. Cabe agora pensarmos no que estamos fazendo e saber se queremos ter uma vida cheia de vitalidade positiva.

Fonte:  ANutricionista.Com - Ana Paula Fidélis - CRN9 6192 - Nutricionista em Belo Horizonte.

Tome Daniel, Schwarz Jessica, Darcel Nicolas, Fromentin Gilles. Protein, amino acids, vagus nerve signaling, and the brain. Am J Clin Nutr 2009;90:838S–43S.

Pachoal Valéria, Naves Andréia, Fonseca Ana Beatriz B. L. Nutrição Funcional: Dos princípios à prática clínica. São Paulo, 2007. 1a edição.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário