Conhecendo as Vitaminas Parte I

por Nutricionista Giovana de Mattos Labella - CRN3 8376

img_92[1]Olá!

Hoje falarei um pouco sobre um assunto fascinante, as vitaminas!

São substâncias químicas indispensáveis para um bom funcionamento do organismo, tanto a carência quanto o excesso de algumas vitaminas podem levar a complicações à saúde, mas primeiramente vamos entender como são classificadas.

As Vitaminas são classificadas em dois grupos:

Grupo das Vitaminas Lipossolúveis (solúveis em gordura) são elas Vitamia A, D, E e K.

Grupo das Vitaminas Hidrossolúveis (solúveis em água) são elas Vitamina C, Ácido Fólico, Biotina H, Tiamina B1, Riboflavina B2, Niacina B3, Ácido Pantotênico B5, Piridoxina B6, Cobalamina B12.

Falarei nesta primeira etapa do artigo sobre a Vitamina A  e D suas principais funções, carências, excessos e fontes alimentares:

Vitamina A – Exerce várias funções importantes no organismo, como ação protetora da pele e mucosas, papel essencial na função da retina e da capacidade funcional dos órgãos de reprodução.

Carências: Os principais sintomas se caracterizam por alterações em órgãos de origem ectodérmica e cegueira noturna (nictalopia). A deficiência ocorre em maior proporção em regiões como a África, Ásia e América do sul, principalmente em crianças de baixa idade, associada à deficiência protéica, pois a vitamina A está presente em muitos alimentos de origem protéica.

Excesso: A hipervitaminose pode apresentar-se sob forma aguda, subaguda e crônica, via de regra ocasionada pela administração de altas doses de medicamentos de Vitamina A por um longo período, de forma isolada ou associada a outras Vitaminas principalmente a Vitamina D.

Em adultos a Hipervitaminose A causa sintomas como cefaléia, aumento da pressão craniana, cansaço, sonolência e náuseas. Superdosagem crônica resulta em fadiga, perda do apetite, descamação da pele, queda de cabelo, hepatomegalia (aumento do fígado) e dores nas articulações e ossos longos.

ALIMENTOS_funcionaisFontes de Vitamina A (Retinol): Alimentos de origem animal como, fígado e rim de animais terrestres e aquáticos, ovos, peixe, leite integral, creme de leite, queijo, manteiga e óleo de fígado de peixes como bacalhau, bonito e atum.

O beta-caroteno é um precursor da Vitamina A é encontrado em alimentos gevetais como a cenoura, abóbora, batata doce, melão, laranja rosa, damasco brócolis, espinafre e na maioria dos vegetais de cor verde escura, quanto mais intensa a cor do vegetal maior concentração de beta-caroteno. O próprio organismo regula a conversão de beta -caroteno em vitamina A de acordo coma suas necessidades.

Vitamina D- Conhecida também por vitamina anti-raquítica e vitamina do sol.

O isolamento da Vitamina D foi retardado pôr ela ter sido confundida por algum tempo, com a Vitamina A, ou seja, as duas são lipossolúveis, portanto estão juntas na natureza.

Em 1924 Steenbock e Hess, descobriram independentemente e simultaneamente  que a radiação ultravioleta dava propriedades  anti-raquitismo a certos alimentos. Em 1930 a Vitamina D foi isolada e denominada calciferol.

A vitamina D produzida pela ação do sol sobre a pele e a presente nos alimentos, são de fato dois tipos diferentes da mesma vitamina, conhecidas respectivamente pelas designações D2 e D3.

Ambas têm a mesma função no corpo, como à formação de dentes e ossos, tornando a sua ingestão particularmente vital para  as crianças por estarem em fase de crescimento e mulheres, pois são mais suscetíveis à osteoporose. Protege também contra a fraqueza muscular, câimbras, insônia, sensibilidades a dores e hemorragias nasais.

Carências- Provoca o raquitismo e favorece o surgimento de cáries dentárias. Na idade adulta ocorre pela carência de Vitamina D, uma doença designada osteomalacia, que incide, sobretudo em mulheres na menopausa, caracterizada por ossos sensíveis a pressão e movimentos bruscos, dores semelhantes às reumáticas, mas distintas por se localizarem dentro dos ossos, articulações e feixes nervosos.

Excesso- A ingestão em doses excessivas causa a hipervitaminose D, que provoca a fragilização dos ossos (supercalcificação) e problemas arteriais. Favorece a formação de cálculos renais, e sintomas associados como cefaléia, náuseas e diarréia. As crianças que recebem excesso desta vitamina podem sofrer distúrbios gastrintestinais, calcificação óssea, retardo de crescimento e retardo mental.

Fontes de Vitamina D- Óleo de fígado de peixe, principalmente o lambari, (também conhecido como piaba), atum, bacalhau, ovos, leite integral ou em pó inriquecido, manteiga, margarina inriquecida e peixe gorduroso.

Portanto devemos ter cautela em ingerirmos suplementos vitamínicos sem acompanhamento de um profissional, pois o excesso também causa complicações à saúde, tenham sempre uma alimentação saudável e balanceada.

Boa sorte!

Fonte:  ANutricionista.Com - Giovana de Mattos Labella - CRN3 8376 - Nutricionista em São José do Rio Preto.

Franco G. tabela de Composição Química dos Alimentos-9ª Edição -Rio de Janeiro -São Paulo -1992.

Herbert V. Toxity. IV Vitamin A suplements in health food user. Am. J. CL. Nut. 36 1982.
Marie V. Krause 1984.
CEPAN 1982.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário