Comportamento alimentar de atletas e praticantes de exercício

por Nutricionista Perla Menezes Pereira - CRN3 14198

A questão da forma física e do peso é muito valorizada no desempenho esportivo e somado a isso, as pessoas buscam a prática de exercícios para se enquadrarem nos modelos de beleza difundidos pela sociedade ocidental. A cultura da magreza para as mulheres e a dos músculos para o homem, como forma ideal é acompanhada por insatisfação com o corpo e avaliação negativa da aparência. Portanto, atletas e esportistas constituem população de risco para o desenvolvimento de transtornos alimentares (anorexia e bulimia) e transtorno dismórfico (avaliação errada da forma física), pois dependem do físico e da composição corporal para o melhor desempenho no esporte.

Os estudos da área de psicologia mostram que a aparência é fator inevitável para a construção da identidade e que a magreza é associada ao sucesso, competência e sensualidade. Dohnt e Tiggemann (2006) analisaram o comportamento de crianças e detectou que aos 6 anos de idade, as meninas já desejam o ideal da magreza, o que reforça a teoria da pressão exercida pela mídia e pela família. Isso, ligado ao medo da rejeição e da perda de afeto, moldaria comportamento de risco nutricional (restrição de alimentos, jejum e uso de laxantes, principalmente). Bailarina, corredoras fundistas e ginastas são exemplos clássicos para o desenvolvimento de comportamento alimentar de risco e entre os atletas masculinos, o uso indiscriminado de suplementação a base de proteínas pode ser sinal de descontentamento com a forma física. Assim, há necessidade de implementação de vigilância nutricional criteriosa em ambiente esportivo, mesmo nas academias.

É comum, os trabalhos que não detectam a presença de transtornos alimentares na população esportista apontarem a preocupação excessiva com o corpo e a insatisfação com ele. Portanto, o acompanhamento nutricional é extremamente importante para os atletas e praticantes de exercício, pois ele é aliado na manutenção do estado nutricional saudável. O nutricionista pode prever as situações de risco e sugerir encaminhamentos dos atletas para avaliações psicológicas antes que o comportamento alimentar de risco seja convertido em transtorno alimentar, o que é muito positivo. Ainda é relativamente comum, atletas (principalmente em início de carreira) realizarem dietas sem supervisão profissional.

A prática de exercício deve ser realizada tendo como base a dieta adequada em calorias e nutrientes, com todos os grupos alimentares incluídos e algumas restrições, tais como a ingestão excessiva de sódio, de gorduras saturadas, de gorduras trans e açúcares simples. O cálculo da necessidade calórica determinada a partir do peso da massa magra do indivíduo (somado ao gasto calórico do exercício) é o método mais confiável na prática clínica com atletas e praticantes de exercício.

A sociedade contemporânea está alicerçada no hedonismo e imediatismo, ou seja, a busca do prazer e realização dos desejos de forma rápida e a qualquer custo. Em termos de saúde, tal atitude pode ser muito danosa. É dentro desse contexto que o nutricionista deve pensar em intervir para a prevenção do comportamento alimentar de risco, identificando as práticas de restrição alimentar infundadas e justificadas para o alcance da forma física ideal proposta por pressões da sociedade ocidental, esta nem sempre “ideal”.

Fonte:  ANutricionista.Com - Perla Menezes Pereira - CRN3 14198 - Nutricionista em Ribeirão Preto.

Dohnt e Tiggemann. Body images concerns in young girls: the role of peers and media prior to adolescence. Journal of Youth and Adolescence. 34, 1-11.

Ferreira et al. Correlação entre medidas antropométricas e aceitação pessoal da imagem corporal em bailarinas de dança moderna. Movimento e Percepção. 9 (12): 43-51. 2008.

Leirós et al. Cultura e Imagem Corporal. Motricidade. 5 (1): 1-20. 2009.

Oliveira et al. Comportamento Alimentar e Imagem Corporal em Atletas. Rev Bras Med Esporte. 9 (6): 348-356. 2003.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário