Aumento no preço de alimentos básicos: Como ajudar o bolso e a saúde.

por Nutricionista Tatiane Trevilato de Brito - CRN3 26450

cafe

Do ponto de vista nutricional, alguns itens que sofreram aumento no preço não são  fontes tão boas de nutrientes, como vitaminas, minerais, proteínas e fibras, portanto, algumas substituições podem ser benéficas à saúde.

No lugar do pão francês podemos utilizar o pão integral que contém fibras, vitaminas e minerais em quantidades bem elevadas. As fibras atuam no trato intestinal ajudando seu funcionamento de forma natural, estimulando o intestino preguiçoso, normalizando as funções intestinais e combatendo a prisão de ventre. A vitamina B1 é muito importante para a nutrição celular, funcionamento dos músculos e sistema nervoso. A vitamina E previne as peroxidações e o envelhecimento. Os pães integrais são ricos também em magnésio, cálcio, potássio, fósforo, ferro, vitaminas e contém fibras em quantidades mais elevadas.  Ambos são ótimas fontes de energia, mas a presença das fibras melhora o trânsito intestinal e pela lenta absorção promovem uma saciedade maior do que a obtida pelos pães brancos.

Ao invés de café, pingado e refrigerantes podemos incluir vitamina de leite com frutas, sucos naturais, agua de coco, bebidas a base de soja, que são alimentos mais completos e ricos em vitaminas, podendo assim fazer parte de um café da manhã, lanche da manhã ou lanche da tarde. A soja é altamente protéica, pois contém de 35 a 40% de proteína de alto valor biológico. Também é uma excelente alternativa para pessoas com intolerância à lactose e tem função antioxidante no organismo, ou seja, combate o envelhecimento. A proteína da soja possui alto teor de isoflavonas – substância com estrutura similar ao estrogênio, que, entre outros benefícios, pode compensar as quedas dos níveis de hormônios e diminuir a perda de massa óssea durante a menopausa.

Os sucos de frutas são ricos em  vitaminas e minerais contribuem para o bom trabalho do sistema imunológico, em favor das células de defesa do organismo. Elas também agem em diversas outras funções do corpo como crescimento, transporte de oxigênio, metabolismo de nutrientes, formação de substâncias importantes para o corpo, etc. As frutas são fontes de fibras, ajudam a regular o trânsito intestinal, colaboram com a normalização dos níveis de colesterol e glicemia no sangue e ainda facilitam a digestão.  Uma refeição leve acompanhada de um suco de frutas garante uma boa digestão. São excelentes pedidas para os lanches intermediários.

Os refrigerantes precisam ser evitados, já que a maioria  traz pouco ou nenhum valor nutritivo e muitas calorias. Mesmo que o refrigerante seja diet ou light ele continua com produtos industrializados em sua composição. Refrigerantes do tipo cola contêm grandes quantidades de fósforo, substância que, em excesso, atrapalha a absorção de cálcio e pode prejudicar o desenvolvimento dos ossos e dentes das crianças que os consomem regularmente e em grande quantidade.

Os salgados fritos ou assados e pão de queijo apresentam um alto teor de gordura e farinhas e  são pobres em vitaminas. Seu consumo poderia ser substituído por lanches naturais, que dependendo da combinação de ingredientes (pão integral ou sírio com atum, peito de peru ou frango com cenoura, beterraba, tomate, alface) podem se tornar refeições completas e balanceadas, podendo ser consumido no horário do almoço. É uma dica interessante pra quem não tem tempo de almoçar, por ser uma opção rápida e saudável.

Outras boas opções para quem se alimenta muito na rua são as barrinhas de cereais, frutas “in natura” e desidratadas, salada de frutas, biscoitos integrais, etc. Lembrando sempre de escolher as frutas “da época”, pois são sempre mais baratas e mais nutritivas.

Portanto, algumas trocas neste momento podem ser muito favoráveis ao bolso e principalmente a nossa saúde.

Fonte:  ANutricionista.Com - Tatiane Trevilato de Brito - CRN3 26450 - Nutricionista em Ribeirão Preto.

SANTOS, Ligia Amparo da Silva. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev. Nutr. 2005, vol.18, n.5, pp. 681-692.

JHCI approved generic health claim for whole grain foods and heart health
Jornal A Cidade- Caderno Economia
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário