Transtornos Alimentares: Anorexia Nervosa e Bulimia Nervosa

por Nutricionista Marcella Lamounier - CRN1 3568

transtornos alimentares

Os transtornos alimentares são doenças psiquiátricas determinadas por sérias alterações de padrão e comportamento alimentar, caracterizados pela preocupação intensa com alimentos, peso e corpo. Os quadros de transtornos alimentares mais frequentes são a anorexia nervosa e a bulimia nervosa.

Anorexia Nervosa

A anorexia nervosa caracteriza-se por perda de peso intensa e intencional através da prática de dietas extremamente rígidas por uma busca desenfreada da magreza, uma distorção grosseira na percepção da imagem corporal (tanto do tamanho quanto da forma) e alterações do ciclo menstrual (apresentando principalmente amenorréia – ausência de pelo menos três ciclos menstruais consecutivos). Alguns indivíduos pensam estar com excesso de peso generalizado, porém outros, apenas em algumas regiões específicas como abdomen, nádegas ou coxas. A perda de peso é vista como um sinal de extraordinária proeza e autodisciplina, uma vez que o ganho de peso é percebido como uma inaceitável perda de autocontrole. Portanto, a recusa em manter um peso mínimo considerado normal é um fator essencial para o diagnóstico da anorexia nervosa.

O início deste transtorno é mais comum na adolescência. As mudanças corporais na puberdade habitualmente aumentam a preocupação com o tamanho e a forma do corpo. Os pacientes são tipicamente introvertidos, obsessivos, perfeccionistas, sentem-se ineficientes e com baixa auto-estima. O desenvolvimento da doença pode ser visto como uma maneira de ganhar controle e autonomia, e normalmente recusam ajuda quando a doença se instala.

Pessoas com anorexia nervosa possuem algumas características típicas, como pele seca e amarelada, corpo muito magro (ou caquético), sensação constante de frio, cabelos quebradiços e sem brilho, lanugem (crescimento de pêlos em outras regiões do corpo), disfunções gastrintestinais (como intestino preso e dificuldades na digestão) e complicações cardiovasculares (relacionadas como as principais causas de morte).

Bulimia Nervosa

A bulimia nervosa se caracteriza por grande consumo de alimentos com sensação de perda de controle, os chamados episódios bulímicos. A preocupação excessiva com o peso e a imagem corporal levam o indivíduo a utilização de métodos compensatórios inadequados (ou purgativos) para o controle do peso, tais como vômitos provocados, uso de medicamentos (diuréticos, inibidores de apetite e laxantes), dietas, jejuns e atividade física intensa.

Ao contrário das pessoas com anorexia nervosa, os pacientes com bulimia geralmente estão com o peso normal ou excesso de peso. Eles frequentemente ficam frustados pela incapacidade de atingir o peso desejado. É comum achar que o vômito é um importante indicador desse transtorno. Porém, o comportamento de consumo complusivo e excessivo de alimentos + purgação é o mais importante para o diagnóstico de bulimia nervosa.

O comportamento compensatório mais comum é a indução do vômito, sendo estimulado o reflexo na garganta com dedo ou instrumentos (por exemplo, talheres, escova de dente, etc.).

É observado em bulímicos sintomas depressivos e alterações de humor, apresentando também ansiedade, alterações de personalidade, ou até dependência química. Pacientes bulímicos ficam angustiados com os sintomas e conseguem procurar ajuda para acabar com o sentimento de culpa.

As evidências de episódios de vômitos são: marcas no dorso da mão usada para estimular o reflexo na garganta (sinal de Russel), glândulas salivares inchadas, erosão dos dentes e cáries. O uso abusivo de medicamentos e os vômitos causam desidratação. Outros sinais vistos são: dores abdominais, feridas na garganta, complicações gastrintestinais e problemas cardiovasculares.

Os transtornos alimentares afetam particularmente adolescentes e adultos jovens do sexo feminino. Vários estudos têm demonstrado que as mulheres mais jovens constituem o grupo de maior risco para desenvolver esses transtornos por serem mais vulneráveis às pressões dos padrões socioculturais, econômicos e estéticos.  A associação da beleza, sucesso e felicidade com um corpo mais magro tem levado as pessoas à prática de dietas abusivas e de outras formas não saudáveis de regular o peso. Dessa forma, a prática de dietas severamente restritas representam um risco para o desenvolvimento de transtornos alimentares. Portanto, essa conduta não deve ser estimulada indiscriminadamente.

O tratamento de pessoas com esses distúrbios deve ser realizado por uma equipe capacitada e formada por vários profissionais da saúde, inclusive um nutricionista, que poderá realizar a avaliação adequada para se fazer um extenso trabalho de educação nutricional e alimentar com esses pacientes e sua família.

Fonte:  ANutricionista.Com - Marcella Lamounier - CRN1 3568 - Nutricionista em Brasília.

Cordás TA. Transtornos alimentares: classificação e diagnóstico. Rev. Psiq. Clin. 2004; 31: 154-157.
Souto S, Ferro-Bucher JSN. Práticas indiscriminadas de dietas de emagrecimento e o desenvolvimento de transtornos alimentares. Rev. Nutr. 2006; 19: 693-704.
Mahan Kathleen, Scott-Strump Sylvia. Krause alimentos, nutrição & dietoterapia. 10° edição. São Paulo. 2002.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário