Amamentação adequada: Recomendações para a Nutriz

por Nutricionista Ana Catarina P. de Aquino Andrade - CRN6 7128

Muitas mulheres, ao darem à luz, sentem-se pressionadas, em grande parte pela sociedade, a eliminarem os quilos ganhos durante a gestação, imediatamente após o parto. Não sabem elas que após o nascimento, dá-se início a um período tão importante quanto a própria gestação, que é a amamentação. Você sabia que para produzir 1l de leite, são necessários 900 kcal e que 1/3 é disponibilizado dos depósitos maternos? E considerando-se a média de produção diária de 850ml, estima-se um acréscimo de 500kcal na dieta da mulher que está amamentando. Fora isso, há também uma maior necessidade de proteínas, vitaminas e minerais, e uma alimentação fracionada em 6x/dia, para garantir níveis glicêmicos constantes nesse intenso processo metabólico.

Diante do número cada vez maior de mulheres que fazem cirurgias de próteses de silicone, e também aquelas que se submetem a reduções mamária, vamos ver como isso influencia na prática da amamentação. Com relação à redução do tecido mamário e do tecido adiposo, alguns estudos mostram que mulheres que fizeram a mamoplastia apresentaram uma duração menor no tempo da amamentação, porém, se essa redução não for tão brusca, pode ser revertida, visto que há proliferação desses tecidos na gestação e na lactação. Já em relação às próteses de silicone, não há estudos conclusivos que contra indiquem a amamentação nesse casos.

Então, quais seriam as práticas alimentares maternas recomendada durante a lactação? Como saber se o seu melhor está sendo oferecido ao seu bebê através da amamentação, sem causar no entanto, maiores prejuízos para sua saúde e sua integridade física?

1. Ingerir 4 copos de ÁGUA /dia ou, se houver dificuldades, 2 copos de água + aumentar a ingestão de verduras, legumes e frutas. Lembrar que os 4 copos são verdadeiramente de água, e não de líquidos em geral, como sucos etc, cuja absorção de água pura é menor.

2. Não ingerir álcool, pois ele tem a capacidade de mudar o odor do leite materno, que gera uma recusa da criança e menor poder de sucção. A ingestão ocasional e em pequenas quantidades não é proibida, porém a mãe só deve amamentar após 2h de ingestão.

3. A produção de leite não é prejudicada nem melhorada pelos tipos de alimentos consumidos pela nutriz. Não se prenda a lendas e a boatos que são ditos por aí, informe-se corretamente.

4. Não ultrapassar o consumo diário de 3 xícaras de café/dia (100ml). Excessos de cafeína causam insônia e irritabilidade no bebê.

5. Ingerir peixe, 3x/semana, garante os níveis adequados de ômega 3 no leite materno, proporcionando substrato para o desenvolvimento do sistema nervoso e da retina do lactente. Um dos exemplos seria a sardinha, economicamente acessível e com resultados animadores.

6. Não fumar!! A nicotina provoca irritabilidade na criança e inibe a prolactina e consequentemente a produção do leite materno.

Bom, tenha a certeza que essas medidas irão tornar esse período importantíssimo para o desenvolvimento do seu bebê, em um período prazeroso e benéfico para ambas as partes, e sem dores ou traumas para a mãe. Consulte um nutricionista e obtenha uma plano alimentar individualizado e voltado para sua situação.

Até a próxima!

Fonte:  ANutricionista.Com - Ana Catarina P. de Aquino Andrade - CRN6 7128 - Nutricionista em Recife.

Vitolo, Márcia Regina. Nutrição:da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro: Ed Rubio, 2008.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário