Alimentação na cirurgia de redução de estômago

por Nutricionista Karen Falzeta Falco Innocentini - CRN3 27588

Cx bariatrica

Vista por muitos como uma forma preguiçosa de melhorar a estética e a saúde, a cirurgia tem contribuído para outros aspectos além do emagrecimento, como reduzir a propensão ao câncer e curar o diabetes do tipo 2 . Mas essa é uma solução que condena o paciente a mudanças permanentes no seu estilo de vida.

É uma intervenção cirúrgica recomendada a obesos mórbidos (IMC – o peso dividido pela altura ao quadrado – maior que 40) e também para obesos que apresentam IMC de 35 a 40 kg/m2com complicações graves associadas à obesidade, como falta de ar, diabetes e hipertensão.

Após a cirurgia é necessário mudar para sempre os hábitos alimentares: mastigar muito bem os alimentos e comer aos poucos, pois as modalidades cirúrgicas limitam a capacidade e o fluxo de alimentos no estômago. Isso mostra que, mesmo com a cirurgia, para uma perda de peso efetiva, deve haver mudança também de comportamento.

Essa baixa ingestão alimentar faz com que a carência de nutrientes como ferro, zinco, potássio e vitaminas torne-se normal nesses pacientes após a cirurgia, além da possibilidade de surgirem complicações mais graves.

Estudos mostram a eficácia do procedimento, que pode contribuir com perda de até 70% do excesso de peso de obesos mórbidos. Porém, nos casos em que os pacientes engordam, 60% não fizeram o acompanhamento nutricional e 80% não frequentaram sessões com psicólogo após a cirurgia.

Pacientes que não mantêm o acompanhamento nutricional, médico e psicológico no pós-cirúrgico tendem a ganhar peso e a sofrer consequências como osteoporose e deficiências nutricionais.

Antes da cirurgia, grupos multidisciplinares buscam mostrar ao paciente o significado da intervenção: se tudo der certo, o primeiro mês do pós-cirúrgico será à base de líquidos e o resto da vida se seguirá com uma alimentação bem controlada, com refeições fracionadas, em pequenos volumes, pobre em gordura e açúcar, e rica em vitaminas e minerais, além de comprimidos de suplementos alimentares. Dessa forma, o nutricionista pode ajudar com técnicas de preparo dos alimentos para conservar e aproveitar melhor os nutrientes.

Apesar de bem sucedida, a cirurgia é a última opção para solucionar um problema que, de certa forma, poderia ser evitado e evolui diariamente no mundo todo. Estudos recentes mostram que a obesidade se desenvolve em indivíduos predispostos expostos a condições ambientais e comportamentais favoráveis, como o sedentarismo e a dieta rica em calorias.

São necessários novos planejamentos para a saúde, com conscientização da população para mudanças no estilo de vida de maneira integrada. Práticas regulares de atividade física e melhores hábitos alimentares, com menos calorias e mais frutas, legumes e verduras reduziriam o problema de obesidade, quando distúrbios metabólicos não são os responsáveis pelo mau funcionamento do organismo.

Portanto, faça mudanças saudáveis na sua alimentação e da sua família. Eduque o hábito alimentar de seus filhos para que eles aprendam a selecionar melhor o que vão comer no futuro, cultivando o paladar para alimentos naturais e livres de gorduras. Antes de tomar qualquer decisão drástica para o seu problema ou se tiver dúvidas, procure um nutricionista, que é o profissional mais apto a lhe orientar nas melhores escolhas alimentares e a montar seu planejamento alimentar.

Fonte:  ANutricionista.Com - Karen Falzeta Falco Innocentini - CRN3 27588 - Nutricionista em São José do Rio Preto.

Referências Bibliográficas:
GUIMARÃES, M. Perda salvadora: cirurgia de redução de estômago controla obesidade, diabetes e, aparentemente, protege do câncer. In: Ciência e Tecnologia no Brasil, Pesquisa FAPESP. nº149, Julho 2008.

NGUYEN,N.T.; NGUYEN, X.M.T.; LANE, J.; WANG, P. Relationship Between Obesity and Diabetes in a US Adult Population: Findings from the National Health and Nutrition Examination Survey, 1999–2006. In: . Acesso em: 1 fev, 2011.

ASSIMAKOPOULOS, K.; KARAIVAZOGLOU, K.; PANAYIOTOPOULOS, S.; HYPHANTIS, T.; ICONOMOU, G. et. al. Bariatric Surgery is Associated with Reduced Depressive Symptoms and Better Sexual Function in Obese Female Patients: A One-Year Follow-Up Study. In: . Acesso em: 1 fev, 2011.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário