Adoçantes na gestação

por Nutricionista Glaucia Figueiredo Justo - CRN4 09100413

Uso de adoçantes na gestação

O uso de edulcorantes, substâncias que oferecem sabor doce aos alimentos, normalmente conhecidos como adoçantes, têm se tornado muito comum no dia a dia.  Mas o que são os adoçantes? São substitutos naturais ou artificiais do açúcar e confere o sabor doce com um menor número de calorias por grama.  O açúcar comum que consumimos, a sacarose, é uma substância composta de frutose e glicose que fornece 4 kcal/grama.

Nos últimos 20 anos o consumo destes produtos tem se tornado cada vez mais comum , principalmente por mulheres. Entretanto durante a gestação alguns cuidados devem ser tomados. Pesquisas recentes estudam a segurança e riscos da utilização dos adoçantes na gestação.

Porém a pergunta mais frequente no consultório entre as gestantes é: Posso ou não consumir adoçantes?

O mais indicado em casos de grávidas com o peso normal e não apresentam diabetes gestacional é o consumo moderado do açúcar comum. Entretanto se o profissional de saúde que acompanha e avalia a gestação julgar necessário indica-se o consumo moderado de adoçante.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) divulgou recentemente uma lista com as limitações no uso dos edulcorantes para a população em geral. Para as gestantes as limitações são as mesmas. Vamos conhecê-las:

Sacarina:

É uma substância capaz de atravessar a barreira placentária de forma limitada e estudos em animais não mostraram efeito teratogênico, ou seja, não é capaz de provocar anomalias ou má formação no desenvolvimento do feto durante a gestação. Porém como ainda existem poucos estudos comprovando ou não o risco da sacarina para fetos humanos, o uso deste adoçante deve ser evitado durante a gestação de forma preventiva.

O limite diário máximo recomendado pela ANVISA é 5mg por quilo de peso. Não existem recomendações oficiais quanto ao uso de sacarina durante a amamentação, sendo prudente evitá-la.

Ciclamato:

Suspeita-se que o ciclamato possa causar efeito negativo na construção genética da célula. Porém, até hoje não existem relatos de má formação e problemas comportamentais nos fetos expostos ao ciclamato. Não existem dados disponíveis para recomendar seu uso durante a lactação.

O limite máximo diário de ciclamato segundo a ANVISA é de 11mg por quilo de peso.

Aspartame:

Segundo os estudos a ingestão de produtos que contenham aspartame durante a gestação é considerada segura, desde que não haja excesso no consumo. No entanto, poucos estudos têm avaliado este tema e a maioria dos profissionais de saúde optam por restringir o aspartame na gestação. O consumo de aspartame pela nutriz provoca pequena elevação nos níveis de aspartato e fenilalanina no leite, devendo ser então evitado no período da amamentação.

O limite máximo segundo a ANVISA é de 40mg por quilo de peso.

Sucralose:

Segundo a FDA ( Food and Drug Administration)  a sucralose não apresenta risco de provocar câncer, problemas neurológicos ou reprodutivos para os seres humanos. Porém ainda não há dados sobre o consumo durante a gestação e lactação.

Acessulfame-K:

Este não é um adoçante considerado tóxico, causador de câncer ou mutações genéticas em animais. Não existem estudos em seres humanos sobre o uso deste adoçante na gestação ou lactação.

Desta forma o limite máximo recomendado pela ANVISA é de apenas 15mg por quilo de peso.

Steviosídeo:

Em animais não existe efeitos deletérios durante a gestação. Não foi oficialmente classificado pela FDA quanto a possíveis riscos na gravidez, e também não há dados disponíveis sobre o consumo durante a lactação.

O que observamos é o que maior risco no uso destes produtos talvez seja o consumo indiscriminado e excessivo, já que as pessoas acreditam que os adoçantes “não engordam” por isso são “saudáveis”. Na verdade o uso e a indicação são restritos, principalmente na gestação, orientado sempre pelo médico ou nutricionista.

Fonte:  ANutricionista.Com - Glaucia Figueiredo Justo - CRN4 09100413 - Nutricionista em Vila Velha.

Site ANVISA: www.anvisa.gov.br

Torloni MR, et al. O uso de adoçantes na gravidez: uma análise dos produtos disponíveis no Brasil. Rer. Bras. Gin. Obst., v.29, no5, p.267-275, 2007.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário