Açúcar ou Adoçante?

por Nutricionista Laura dos Santos Pola - CRN3 27426/P

balança

Hoje vou falar sobre um assunto que desperta muitas dúvidas na população: o adoçante. Isso mesmo, aquele adoçante de mesa que muitos utilizam em substituição ao açúcar.

Várias pessoas consideram o adoçante como uma alternativa saudável para perder peso. Mas, será mesmo?

Em primeiro lugar, vamos definir adoçante. ADOÇANTE é um produto composto de edulcorantes que são substâncias com alta capacidade de adoçar. Geralmente são dezenas, às vezes centenas de vezes mais doces do que o açúcar. Entre os edulcorantes estão os naturais e os artificais:

  • Artificiais: sacarina, ciclamato, aspartame, acessulfame k, sucralose, perilartina e xilitol.
  • Naturais: steviosídeo e frutose*.

* Somente a frutose contém calorias.

A indicação de adoçantes é realizada para pacientes com patologias que restrigem ou proibem o consumo de açúcar como hipertrigliceridemia  (aumento de triglicerídeos) e diabetes, respecetivamente.

Apesar disso, atualmente verificamos um elevado consumo de adoçantes e produtos diets pela população que não apresenta as patologias citadas acima. A maioria, pensando em emagrecimento e manutenção de peso. Mas será realmente efetiva a substituição do alimento convencial pelo diet neste caso?

De acordo com pesquisa realizada em Indiana, na Universidade de Purdue, a sacarina, que é um edulcorante muito utilizado nos produtos diets, pode acarretar em ganho de peso, pois estimula o apetite por doces. Funciona da seguinte forma: na ingestão dessa substância nosso organismo se prepara para receber calorias do açúcar, e diante da ausência do nutriente nosso corpo passa a “solicitar” calorias através da ingestão de alimentos altamente calóricos como sorvetes, chocolates e tortas recheadas. É aquela famosa sensação de “preciso de um docinho urgente!”

A pesquisa descrita acima foi realizada dividindo os ratos em 2 grupos: o primeiro foi alimentado com iogurte adoçado com adoçante artificial (sacarina) e o segundo com açúcar. O resultado: o primeiro grupo ingeriu mais calorias do que o segundo e seu aumento de peso foi superior em 20%. E o problema não se restringe apenas a sacarina, pois segundo os pesquisadores o aspartame e o acessulfame K podem ter os mesmos efeitos de promoção de ganho de peso.

Sabe-se hoje que o uso constante de adoçantes, em quantidades elevadas, pode funcionar como um agravante para diversas doenças. Os adoçantes artificiais, como o próprio nome diz, foram criados em laboratório. Dessa forma, nosso organismo não foi projetado para “decifrá-los” ou metabolizá-los, fazendo com que essas substâncias se acumulem em nossas células e promovam inflamações constantes.
Vale lembrar que os adoçantes a base de ciclamato foram proibidos nos EUA, devido às diversas constatações dos prejuízos e riscos à saúde. Além disso, algumas pesquisas relacionam o aspartame com o desenvolvimento da doença de Alzheimer e de tumores cerebrais. As informações ainda não são conclusivas, pois foram realizadas somente com animais (ratos). Porém, é fato que como qualquer outro conservante, adoçante em excesso faz mal à saúde.

Em contrapartida, sabemos que o consumo excessivo de açúcar refinado está relacionado com hiperatividade, inflamações, acne, lipogênese (acúmulo de gordura corporal) e risco de desenvolvimento de diabetes mellitus.

Por isso, vale a regra: não exagere. Aproveite o sabor natural dos alimentos e tente “desviciar” seu paladar do sabor “muito doce”. Além disso, prefira sempre consumir o açúcar na versão mais natural como mascavo, cristal ou utilize o mel para adoçar as bebidas e alimentos.

Caso seja diabético, não precisa se desesperar: como eu relatei no início do artigo existem 2 tipos de adoçantes: os naturais e os artificais. Procure, dessa forma, utilizar sempre os adoçantes à base de steviosídeo, em quantidade moderada, sempre preferindo o sabor natural dos alimentos.

Fonte:  ANutricionista.Com - Laura dos Santos Pola - CRN3 27426/P - Nutricionista em Bauru.

Referências Bibliográficas:
OLIVEIRA, P.B.; FRANCO, L.J. Consumo de adoçantes e produtos dietéticos por indivíduos com diabetes melito tipo 2, atendidos pelo Sistema Único de Saúde em Ribeirão Preto, SP. Arq Bras Endocrinol Metabol; 54(5): 455-462, 2010.

CRISTHANTE, L. Os adoçantes na balança. Revista Unesp Ciência. Setembro de 2009.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário