A suplementação de vitaminas no exercício

por Nutricionista Perla Menezes Pereira - CRN3 14198

O uso de suplementação de vitaminas entre praticantes de atividade física e atletas é assunto corrente nas academias. São comuns as recomendações de suplementação vir da família, amigos e treinadores, sempre porque os indivíduos sentem a necessidade de melhorar o aporte nutricional da dieta e também aumentar a performance. As questões a serem respondidas são: Há necessidade de suplementação de vitaminas para aumentar o vigor físico? O exercício “destrói” as reservas de nutrientes corporais a ponto da suplementação ser a única alternativa? A suplementação de vitaminas é inócua e quanto mais vitaminas melhor? Todos os atletas e praticantes de atividade física se beneficiam da suplementação de vitaminas?

Está comprovado pela ciência que as vitaminas atuam na regulação do o metabolismo e das funções orgânicas e, muitas delas, possuem papel crucial no metabolismo energético. As vitaminas do complexo B estão envolvidas no processo de produção de energia, no metabolismo dos carboidratos, no metabolismo das gorduras e no metabolismo das proteínas e ácidos nucléicos. O exercício promove adaptações bioquímicas nos músculos, o que ocasiona o aumento da necessidade nutricional do praticante da atividade. Assim, é certo que atletas precisam de maior aporte nutricional de vitaminas para recuperar, manter e construir massa magra.

Também, parece e é lógico que a deficiência vitamínica afeta a performance. O grupo de risco para a deficiência de vitaminas corresponde a atletas que praticam restrição energética, restrição acentuada de ingestão de gorduras ou restrição de grupo alimentar: ginastas, lutadores e vegetarianos, principalmente. Um exemplo, as vitaminas A e E dependem do fornecimento adequado de gorduras pela dieta para serem bem absorvidas no intestino.

Além das deficiências e da baixa ingestão vitamínica, faz-se importante mencionar a suplementação sem indicação de nutricionista ou médico. O uso excessivo de suplementação vitamínica pode comprometer o desempenho esportivo e até provocar quadros de toxicidade. A vitamina E atua como elemento oxidante das membranas celulares, mas em excesso apresenta efeito pró-oxidante. Outro exemplo é a vitamina C, a qual atua na produção de colágeno, no metabolismo dos folatos e em outras vias metabólicas. Quando doses diárias maiores que 1000 mg de vitamina C são consumidas por longos períodos, os efeitos pró-oxidante da vitamina C se tornam evidentes, segundo os estudos. Geralmente, os atletas usam a suplementação de vitamina C com o intuito de  melhorar o sistema imunológico para prevenir e tratar casos recorrentes de afecções das vias respiratórias, o que ainda é controverso na literatura especializada.

As diretrizes brasileiras e internacionais apontam a falta de evidencia científica para a suplementação vitamínica em pessoas fisicamente ativas não atletas, devendo a necessidade nutricional ser obtida por meio de dieta balanceada. A recomendação de uso de suplementação vitamínica isolada ou associada a outros nutrientes é indicada para atletas em deficiência nutricional e  risco nutricional, tais como os que precisam perder peso drasticamente (ginastas e lutadores, principalmente) e os que restringem o consumo de certos grupos alimentares (veganos, por exemplo).

Portanto, podemos concluir que, embasados no fato de que as mais variadas vias metabólicas são interdependentes e agem segundo uma fina sintonia e controle, a suplementação vitamínica pode comprometer o desempenho e a saúde. Não são todas as pessoas que se beneficiam da suplementação vitamínica, depende das deficiências e das necessidades nutricionais envolvidas.

O desempenho e o bem-estar físico podem ser garantidos pela dieta personalizada e balanceada. O exercício programado é capaz de requerer mais energia e nutrientes do organismo, mas a suplementação vitamínica deve ser pensada como coadjuvante para atuação em casos específicos, o ator principal é sempre a dieta.

Fonte:  ANutricionista.Com - Perla Menezes Pereira - CRN3 14198 - Nutricionista em Ribeirão Preto.

Penteado, MVC. Vitaminas: aspectos nutricionais, bioquímicos, clínicos e analíticos. São Paulo, Editora Manole. 612 p. 2003.

Sundgot-Borgen J et al. Nutritional supplements in norwegian elite atheletes-impact of international ranking and advisors. Scandinavian Jornal of the Sport Science. 13(2): 138-144. 2003.
T
hompson J. Vitamins, minerals and supplements:6: Minerals(1). Community Pract. 80 (2): 34-35. 2007.
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário