A importância do Aleitamento Materno

por Nutricionista Juliana Paula Bruch - CRN2 8899D

bebe

O aleitamento materno é um processo que envolve três fatores: ambientais, fisiológicos e emocionais. É muito importante ter o conhecimento de que a produção de leite é determinada pela ação hormonal na gestação e é aumentada quando ocorre o aleitamento materno de forma adequada e  não de certas crenças populares que ouvimos no nosso dia-adia. Devemos deixar de acreditar nelas, pois para ter uma idéia, esta crença já são tão fortes que até mesmo profissionais da saúde já estão influenciados.

Apesar de todas as campanhas que são mantidas anualmente, o desmame  continua precoce em nosso país, sendo que apenas 6% das crianças brasileiras são amamentadas exclusivamente até 2 meses de vida.

Mas quais são as vantagens para o bebê? Por quê devemos amamentar até pelo menos 6 meses de vida?

  • O aleitamento materno é completo porque contém vitaminas, minerais, gorduras, açucares e proteínas. Todos apropriados para o organismo do bebê;
  • Possui também, muitas substâncias nutritivas e de defesa, que não é encontrado no leite de vaca;
  • É adequado, completo, equilibrado, suficiente para seu bebê. Não existe leite fraco;
  • É feito especialmente para o estômago da criança, por isso apresenta mais fácil digestão.
  • Além do mais o leite materno é limpo, não apanha sujeira como a mamadeira, está pronto a qualquer hora e na temperatura certa, além de não ter nenhum custo finceiro.

Sem falar que o aleitamento materno também beneficia a família da criança, aumentando os laços entre a mãe e o bebê durante a amamentação, diminui o sangramento da mãe após o parto, faz o útero voltar mais rápido ao tamanho normal, diminui o risco de câncer de mama e ovários, é econômico e prático.

Vamos entender melhor as etapas do leite materno:

Nos primeiros dias após os parto, o leite secretado é denominado colostro, que corresponde a um líquido amarelado e espesso, é essencial paa a alimentação do recém-nascido. Possui anticorpos e  leucócitos, além de contribuir no amadurecimento do aparelho gastrintestinal. Esta substância deve ser o primeiro tipo de alimento que a criança deve receber, pois a ingestão de outros tipos de leite podem acarretar em infecções e dificultar a digestão.

Após duas semanas, o leite que sai é chamado de maduro, é mais ralo que o leite de vaca, porém possui tudo o que o recém-nascido precisa. É dividido em leite do meio e fim. O primeiro apresenta cor acinzentado, é rico em proteínas, lactose, vitaminas, minerais e água, no início da mamada. O segundo, mais no final da mamada, possui cor mais branca, pois contém mais gorduras. Por isso para que nenhum dos dois leites sejam prejudicados, é importante que o tempo de mamada seja estipulado pelo bebê, ele deve parar de mamar quando quiser.

Para concluir, o leite materno é o alimento natural da criança. Nos seus primeiros meses de vida, é o leite que contém mais vantagens, além de passar afeto e amor a criança. A criança que está sendo amamentada no seio raramente adoece. É muito importante que o pai também se envolva com a criança, sendo igualmente orientado, motivado e estimulado, participando de outras tarefas com a criança.

“Siga os cuidados básico com seu corpo e retire o melhor da natureza para você e seu bebê”.

Fonte:  ANutricionista.Com - Juliana Paula Bruch - CRN2 8899D - Nutricionista em Lajeado.

Referências Bibliográficas:
VITOLO, M.R. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro. Editora Rubio, 2008.
Ministério da Saúde: www.saude.gov.br
Importante: As informações fornecidas não são individualizadas, portanto, um nutricionista deve ser consultado antes de se iniciar uma dieta. O artigo acima expressa a opinião do autor e pode NÃO refletir a opinião do site ANutricionista.
Você é novo por aqui?

Receba nossas dicas por e-mail

Deixe seu Comentário

This website uses IntenseDebate comments, but they are not currently loaded because either your browser doesn't support JavaScript, or they didn't load fast enough.

Deixe um comentário